sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

A privatização da TAP (e da RTP)

Ultimamente tem-se discutido a privatização da TAP.
Entrando nessa discussão, eu defendo que não compete ao Estado ser proprietário de empresas pelo que a TAP deve ser, sem qualquer reserva, privatizada. 
Mesmo que, daqui a 5 anos, a TAP encerre, é melhor que, ano após ano, meterem o dinheirinho dos nossos impostos a segurar uma empresa falida.
Se a TAP, a RTP ou os Estaleiros Navais de Viana do Castelo não se mostrarem economicamente viável, devem fechar para libertar recursos para outros projectos que irão surgir.

É assim o progresso.
Se os estados por esse mundo fora tivessem aguentado com subsídios a industria das carroças porque davam muito emprego, hoje não teríamos automóveis.
Por causa disso é que as sociedade em que os meios de produção eram detidos pelo Estado, as comunistas, empobreceram.
Se queremos viver melhor, o Estado português tem que entregar as suas empresas aos privados.
Vamos então privatizar os aviões.

Fig. 1 - Isto é que é um abião. Dois potentes motores, um coquepito de luxo, toda ela boa. 

Os esquerdistas são contra as privatizações.
Mesmo com toda a evidência histórica de que a estatização dos meios produtivos leva à pobreza, os esquerdistas continuam teimosamente contra as privatizações.
O grave é quando os esquerdistas, sobe a capa do rigor da Academia, escrevem mentiras com o objectivo de enganar o povo quanto às privatização (bem sei que é abusivo da minha parte advinhar as intenções de quem escreve mentiras).
Um exemplo dessa mentira enganosa foi o que escreveu o Ricardo Cabral no blog "The Portuguese Economy".

Ai meu Deus tende misericórdia do homem.
Miguel Ribeiro e Silva, mandou-lhe tamanha marretada que até a mim doeu:
(...) this is plainly embarasing (...) this confusion between a valuation based in EBITDA (which includes interest) and EV (disregarding debt associated with that interest) is basic stuff!
( ...) I always feel ashamed for them ... Why? Simple vanity?
(...) Bertrand Russell [says]  that "The whole problem with the world is that fools and fanatics are always so certain of themselves, but wiser people so full of doubts".

Quando o Cabral reincidiu no crime, o Frederico Torres atirou a matar:
(...) your math is PLAIN WRONG from any financial modeling point of view (...)

Fig. 2 - Quando eu for substituir o Cavaco vou ter misericórdia para com o Sampaio.


Vamos então à avaliação da TAP.

Se a TAP tivesse valor, muita gente a quereria comprar.
Se valesse milhares de milhões e houvesse a possibilidade de Portugal a vender por "apenas" 20milhões€, teriam aparecido milhares de pessoas a querer comprá-la.
Até o genro do Cavaco que comprou a crédito o Pavilhão de Portugal por 21.2 Milhões€ se abalançaria à compra da TAP.
Se não houve autocarros de povo a levantar o caderno de encargos, está provado que aquilo não vale nada.

Vamos aos factos
Fui consultar o Balanço e Contas da TAP de 2011.
Como é sabido, o valor de uma empresa é o máximo entre o "valor de liquidação" e o "valor de continuar a actividade".

A) Qual o valor de liquidação da TAP?

A divida total é de 2165 Milhões de Euros
A primeira coisa que vi lá é que as dívidas da TAP são o dobro do que é referido na comunicação social (1140M€).
Isto acontece porque a TAP tem a "dívida não corrente", principalmente "financiamentos obtidos" (985M€), que os medias referem mas também tem a "dívida corrente" principalmente a "fornecedores" (165M€), "financiamentos" (245M€), "outras contas a pagar" (223M€) e "documentos pendentes de voo" (264M€).
Somando as dividas todas dá 2325M€ a que podemos retirar as provisões (158M€).

Qual o problema da dívida da TAP?
É que o Estado Português garante esta dívida pelo que, se não houver privatização, vamos ter que a pagar como aconteceu com as dívidas do BPN.
Ao privatizar, o comprador tem que arranjar novas garantias melhores que as actuais de forma que os credores as aceitem libertando Portugal desses encargos.

Certo dia, um amigo meu recebeu um telefonema.
- Amigo, raptamos a sua sogra e tem que nos dar 10000€ ou então, já sabe o que vai acontecer ...
- Certo, certo, eu tenho a certeza do que vai acontecer. Eu dou os 10000€ aos senhores porque sei que, se não lhes pagar já, vocês a entregam de volta. 
Dada a minha fama de "financista" falido, ele pediu-me conselho:
- Amigo, se a tua sogra durar mais 10 anos, a uma TAE efectiva de 5%/ano, os 10000€ correspondem a uma amortização de 2.81€/dia. Eu que a conheço, digo-te que é muito barato.

Fig. 3 - Para nos vermos livres do que não presta, é preciso pagar.

Os comentadores esquerdistas
Meteram debaixo do tapete mais de 1000M€ de dívida da TAP.
Fazem-me lembrar, repetidamente, o seu mentor intelectual, o filosofo Sócrates o Pequeno, quando afirma que "pagar a dívida é uma brincadeira de crianças".

O Activo é de 1980 Milhões de Euros
Isto é muito menor que as dívidas.

O valor líquido contabilistico da TAP é -342Milhões€
Se se vendesse todo activo pelo valor contabilistico recuperando-se todas os créditos referidos no activo e o goodwill se concretizasse, ainda seria preciso o Estado meter 342Milhões€ para poderem ser pagas todas as dívidas.
E este valor pode ainda ser mais negativo porque o Activo tem 2 problemas 

O primeiro problema é que o Activo está inflaccionado 10%, 206M€, pelo "goodwill - boa vontade" que traduz, grosso a fesada de que o activo vale mais que o valor contabilizado.
Isto é especulativo. É dizer que, se vendessem os equipamentos e demais sucata ao Godinho, iriam receber mais 10% do que os valores contabilizados. Eu penso que seria antes ao contrário.

O segundo problema é que existem 406Milhões€ de dívidas de "clientes" e "outras contas a receber" e não é dada qualquer informação sobre o risco destes créditos.
Será que os 160Milhões€ de "provisões" têm em atenção o risco destes créditos?

São 600Milhões€. Somando estes 2 problemas vemos que 27% do total de activo tem risco de não se materializar com os valores contabilizados.

Em 2011, a situação líquida degradou-se em 80M€
Em 31/12/2010, a situação líquida era de -265M€ e piorou durante 2011 para, em 31/12/2011, já valer -343M€.
É uma hemorragia contínua.
Só durante 2011, o Estado Português aumentou os seus encargos em 80Milhões€ por causa da TAP.
Cada português ficou com menos 8€ por a TAP ser uma empresa pública.
Não foi muito mas, 8€ aqui, 10€ acolá, 20€ além, lá se vai o nosso ordenado todo.

Acrescem as indemnizações
Se a TAP for liquidada tem que indemnizações os trabalhadores.
Vamos supor que cada um tem "direitos adquiridos" sobre um ano de salários e que os ordenados são 70% dos encargos com pessoal  (524Milhões€ em 2011). Então, existe aqui um passivo implícito de liquidação de 390Milhões€.

O valor de liquidação da TAP será -730 Milhões de Euros
O dono da TAP terá que meter lá 730M€ para a poder liquidar.
E isto se correr tudo como está escriturado.
Não será grande surpresa se o valor atingir os -1000M€.

B) Qual o valor de continuar a actividade da TAP?

A TAP não pode encerrar porque "é o maior exportador português".
Isto é uma grande treta porque na facturação da TAP estão combustíveis e fornecimento de serviço que são importados.
Além disso os aviões são importados e os empréstimos pagam juros ao estrangeiro.
Vejamos.
A facturação em 2011 foi de 2439Milhões€.
Fornecimentos e serviços externos foram 1657Milhões€.
Mercadorias adquiridas foram 188milhões€.
No final, ficam apenas os "Custos com Pessoal" (524M€) a que se têm que subtrair os prejuízos que o Estado teve que cobrir (77M€).
Acreditando que todos os trabalhadores da TAP são residentes em Portugal e que metade do ganho é realizado com passageiros estrangeiros, estamos a falar de 220M€ por ano.
Não é grande coisa ao ponto de ficarmos reféns da TAP.

Resultado antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos - RADJI
Uma empresa para funcionar tem a "parte física" (o Capital) e a parte operacional.
Uma vez adquirido, o valor do Capital não tem a ver com o preço de aquisição mas depende do resultado operacional (a diferença entre a facturação e os custos operacionais - combustível, salários, manutenção, etc.)
Claro que em termos económicos seria preciso retirar a depreciação do capital ao resultado operacional (e não a amortização que é uma questão contabilistica). No entanto, como é dificil o seu cálculo, usa-se apenas o RADJI.

O RADJI
Indo à facturação e subtraindo todos os custos excepto os financeiros (juros e amortizações), em 2011 a TAP teve um resultado operacional positivo de 106Milhões€.

              2004   2005   2006    2007    2008   2009   2010   2011
               40        42     30.3     79.3    47.6     193      138     106
Quadro 1 - Evolução dos RADJI da TAP (obtido numa pesquisa rápida no Google). Milhões €

Nos últimos 4 anos, em média o RADJI da TAP foi de 120M€/ano e diminuiu 45% desde 2009. De um momento para o outro, mais uma grevezita ou outro imponderável, o RADJI volta aos 80Milhões€ de 2007 (antes da crise).

O Capital da TAP vale 1200M€
Se o capital (incluindo a depreciação) for remunerado à taxa de 10%/ano, o valor médio de 120M€/ano implica que o capital tem um valor económico de 1200M€.
     120/10% = 1200M€
Esta razão de 10 para 1 é maior, estou a ser optimista, que o considerado nas principais companhias de aviação.

O Valor de Continuar actividade daTAP é - 1000M€

Mas a TAP deve 2165M€
Então, o valor de continuar actividade é negativo
1200 - 2165 = -965M€

Aquilo dá, seguramente, prejuízo.
Vamos supor que na TAP só se deprecia o capital tangível (aviões) em 20 anos (5% por ano), estamos a falar de 50Milhõese por ano. O relatório assume 138Milhões€ para 2011.
Vamos agora pensar que o passivo (2190Milhões€) é remunerado à taxa de 5%/ano, estamos a falar de mais 110milhões€. O relatório assume 45milhões€ para 2011.
É um custo fixo de 160Milhões€ (o relatório assume 182Milhões€) e o Resultado Operacional é de apenas 120Milhões€.
É um prejuízo estrutural de 40milhões€/ano. O relatório assume 53milhões€ em 2011

O Estado tem que pagar 1000M€
Seria preciso o Estado pagar-me 1000Milhões€ para que eu aceitasse ficar dono da TAP com o compromisso de continuar a actividade deficitária.
Nem menos um Ério (que é como se chama ao Euro cá pelo Norte).

German amigo, estás mal aconselhado.
A TAP, juntamente com o resto das empresas públicas portuguesas, é um buraco sem fundo.
Vai acontecer à tua empresa o que aconteceu ao Llyds quando em 2008 se fundiu com o HBOS. Passado um ano já tinha perdido 80% do seu valor em bolsa.
Larga essa ideia maluca de comprar a TAP a menos que seja como o BPN em que o Estado meteu lá mais de 4000 milhões€.
Larga enquanto é tempo.

Finalmente, a privatização da RTP.
Dá-me ideia que aquele grupo angolano, o Newshold, apareceu com uma discurso esquesito (nós somos pretos e vocês não gostam de nós, dizem que isto é obscuro e blá, blá, blá) apenas para torpedar o processo de privatização da RTP.
Não estou capaz de afirmar que os portugueses brancos gostam dos pretos sejam eles angolanos ou de outro sítio qualquer mas, sendo que toda a gente sabe isso, não era preciso gastar palavras num comunicado a afirmá-lo.
É como quando eu vou à farmácia ver a Kátia que é uma boazona. Claro que toda a gente sabe que eu a queria carimbar mas não é preciso explicitá-lo.
Obviamente, os pretos são obscuros. E as empresas dos pretos são, naturalmente, empresas obscuras.

Foi uma encomenda.
Tenho a certeza que os nossos comunas pediram aos nossos amigos angolanos para entrarem a matar, tipo Futre, para que o tonto povinho português ficasse assustado e passasse a ser contra a privatização da RTP.
Força passos, entrega-lhes a RTP e eles que encham aquilo com as noticias que quiserem, nem que seja do Kunene Acima pois pior do que está não é possível. Até podem fazer, como a TVI, uma "Casa das Putas" só com pretas mas das boas.
O povo já está farto de ver putas brancas.

Fig. 4 - Venha me ver na "Casa das Putas" da nova RTP

Pedro Cosme Costa Vieira

3 comentários:

Vasco disse...

Algo a dizer sobre a garantia de influxo de turistas a Portugal e o que o acabar da TAP poderia afectar as receitas em distritos fortemente dependentes do turismo?

Económico-Financeiro disse...

Estimado Vasco,
Obrigado pela questão.
Quando alguém pensa ir à Dominicana ou à Croácia passar férias não quer saber se eles têm ou não aviões próprios. Marcam num site da internet o que tiver melhor relação qualidade/preço, pagam com o VISA e lá vão eles.
E na Croácia e na Dominicana o turismo tem maior peso nas exportações que em Portugal.
Além disso, a TAP não só trás turistas (bom para as nossas contas externas) como leva portugueses para passar férias no estrangeiro (mau para as nossas contas externas).
Será que se a TAP acabasse, os portugueses deixavam de ir passar férias ao estrangeiro?

Então o Estado também deveria ter uma companhia de camiões TIR por causa das nossas exportações de mercadorias.
Um abraço,
pc

Joao F. disse...

Estimado Professor,

a sua análise é muito bem conseguida e felicito-o por tal. Ainda assim, uma análise de investimento desta envergadura deveria levar em conta também a situação patrimonial e estratégica da empresa compradora e os beneficios futuros que retira da compra? O prejuízo que o professor fala pode tornar-se num lucro maior para o comprador (com negócios além da aviação).

P.S.: Imagine, por exemplo, que o comprador da TAP é também o financiador de um cartel qualquer, e que com esta aquisição controla uma porta de entrada na Europa a baixo custo, e de facil manipulação. Mas isto já é muita imaginação e extrapolação.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code