domingo, 7 de abril de 2013

O Passos Coelho bloqueou

Pois.
Na sexta-feira o chumbo do Tribunal de Contas meteu bastante dinheiro no meu bolso mas pensei que só lá ficasse até hoje às 18h30. 
Mas, aparentemente, vai mesmo lá ficar. 
Nem quero acreditar.

Os juizes do TC não percebem nada de economia.
Quando duas situações são iguais, se a decisão das pessoas não for idêntica, temos que concluir que essas pessoas não são racionais.

Seria isto constitucional?
Imaginemos que tínhamos o nosso escudos, que em 2013 a inflação seria de 7.69% e que os salários dos funcionários públicos e as pensões não subiam. Neste caso, porque os preços aumentavam, o poder de compra dos funcionários públicos e pensionistas diminuiria.
Até hoje ainda ninguém questionou pela constitucionalidade do congelamento dos salários pelo que esta situação seria, com toda a certeza, considerada  constitucional.
Alguém iria comparar o aumento dos salários dos privados com o congelamento dos salários públicos?
Mas esta situação hipotética é totalmente equivalente a cortar o subsídio de férias e o TC considerou isso inconstitucional.
Será que o TC se questionou se os privados iriam também cortar o subsídio de férias aos seus trabalhadores? Nem passou pelas suas inteligências que o subsídio de férias dos privados também possa ser cortado pelos empregadores.

O que se passa Passos?
Sinto-me com disfunção orçamental para digerir o chumbo do TC.

Amigo Passos, bloqueaste mas vou-te dar um viagra orçamental.
Bem sei que, por pressão do Paulo Portas, não podes aumentar os impostos.
Então, não sabes o que deves fazer. Estás perdido no meio do bosque porque a solução que te indiquei na passada sexta-feira implica um aumento de impostos (IRS).
Mas, para te ajudar, ajudar o país e dar uma marretada nos esquerdistas, vou-te agora dar  uma solução muito simples de implementar que mantém os cortes, não aumenta os impostos e os asnos do TC vão considerar, sem qualquer dúvida, que respeita o princípio da igualdade.

Solução - Também cortar o subsídio de férias dos trabalhadores privados.
Apresentas amanhã mesmo uma proposta de orçamento rectificativo com apenas um artigo em que reafirmas o corte de subsídio de férias nos funcionários públicos mas estendes isso aos pensionistas e aos trabalhadores privados.

-------------------------------------------------------------------------------------------------
Proposta de Lei n.º XXX/2013 - Orçamento Rectificativo
Nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo apresenta à Assembleia da República a seguinte proposta de lei:


Artigo único - Suspensão do pagamento de subsídio de férias ou equivalente
1 - Durante a vigência do PAEF, como medida excepcional de estabilização orçamental e do mercado de trabalho é suspenso o pagamento do subsídio de férias ou quaisquer prestações correspondentes ao 14.º mês a todos os trabalhadores por conta de outrem, públicos e privados e a todos os pensionistas.

2 -  As pessoas referidas acima cuja remuneração base mensal seja igual ou superior a 600€ e não exceda o valor de 1100€ ficam sujeitas a uma redução no subsídio de férias ou nas prestações correspondentes ao 14.º mês, auferindo o montante calculado nos seguintes termos: subsídio / prestação = 1320 - 1,2 x remuneração mensal.
-------------------------------------------------------------------------------------------------

Passos, amigo, já estás safo.
Os privados são livres de pagar o que quiserem (a mais do Contracto Colectivo de Trabalho) aos seus trabalhadores. Então, se algum patrão vier dizer que o corte do subsídio de férias dos privados reduz a procura interna então,  que dêem um bónus de produtividade que compense o corte do subsídio de férias.
E se os sindicatos chiarem, atira-os para cima do TC.
Passos, eu sou mesmo teu amigo.

E vai reduzir os custos do trabalho.
As empesas que estão à rasca vão ter aqui uma oportunidade de melhorarem a sua situação económica.
Isto vai reduzir substancialmente o desemprego.

És boas mas tapa, tapa que eu ainda não tenho a certeza de que vá receber o subsídio de férias.

E o burro do Seguro será mesmo burro?
Pois já não sei bem.
A técnica do Seguro era nem dizer que sim nem que não e esperar pelo desgaste governativo do Passos. Assim, o Seguro tinha a esperança de vir a ser Primeiro Ministro apenas por estar lá.
Mas quando o António Costa falou que iria avançar e as sondagens indicavam que o iria derrotar, o Seguro ficou com apenas duas alternativas
     A) ladrar muito para esvaziar o discurso do Costa continuando a ser líder do PS
     B) continuar a sua contenção verbal e ser posto borda fora.
Ser líder do PS é melhor que ser líder do PC ou do BE e há muita gente que o quer ser. Sempre pode nomear os candidatos a deputados das próximas eleições e vai sempre arranjando qualquer coisa para os amigos.
Então, afinal o Seguro não é burro de todo, apenas optou pela melhor alternativa disponível, a opção A).

E o cometário do Sócrates?
Não foi um comentário mas um replay da cassete.
Um comentador não se deve confundir com um contador da sua história. Não deve misturar a sua vivência com os acontecimentos que está a comentar. E o Sócrates não é capaz disso. É uma contínua repetição do chumbo do PEC4, e dos chavões da campanha eleitoral de 2011.
Um homem que, para comentar o caso Relvas, precisa afirmar que foi um aluno excepcional quando todos sabemos que fez uma licenciatura em engenharia com pouco mais que uma cadeira de Inglês Técnico num Domingo numa conversa no bar, não é informativo.
Mas há muitos mais canais de TV e esse programa fica barato ao OE.

Até a própria cassete está obsoleta

Pedro Cosme Costa Vieira

4 comentários:

André disse...

Se eu precebi bem, você propõe que o corte no subsídio de férias do privado seja voluntário, para que se possa cortar também no sector público.

É isso?

Económico-Financeiro disse...

Estimado André,
A decisão do corte nos privados fica do lado da entidade patronal pois, se achar necessário e puder, pode sempre aumentar a remuneração por outro lado.
pc

murphy V. disse...

Pois eu gostaria de o ver bater com a porta.
Passos, ao optar por um “Sim” para evitar "maiores complicações", cometeu um erro. A decisão de demissão, para além de legítima, permitiria uma clarificação sobre as alternativas REAIS que existem para sair deste buraco. Uma parte significativa do País continuar a fazer de conta que não estamos em bancarrota...
http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/04/haraquiri-de-passos.html

tiago mota disse...

gostava de pedir ao professor que escreve-se sobre a margaret thatcher e sobre as suas politicas.
sendo que ela levou á pratica muitas das suas ideias (penso eu) gostaria que nos diga o que foi positivo e o que foi negativo na politica da dama de ferro na sua opiniao.
no fundo que compare os resultados do reino unido nos anos 80 com outros paises que seguiram uma politica mais de esquerda para podemos analisar com a realidade qual a melhor das politicas e em que pontos elas sao melhores pra as pessoas.
eu procurei esses dados mas tirando o banco mundial nao encontrei o que queria, e no banco mundial sao de dificel comparaçao com outros paises.

o facto de na inglaterra estarem a festejar a sua morte é um sinal que as suas politicas nao foram boas ?

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code