sexta-feira, 30 de maio de 2014

Ai Seguro, a tua vida Costa, Costa

Os resultados das europeia foram como estava antecipado.

O PSD+PP e o Bloco de Esquerda perderam.
A CDU, o Partido da Terra e o PS ganharam.
Quem perdeu avançou com justificações para diminuir a derrota que não são razões verdadeiras porque não partem da inquirição às pessoas. As máquinas dos partidos deveriam perguntar aos eleitores o porquê de terem votado (ou faltado) nuns partidos e não noutros.
Se não há qualquer dúvida quanto a quem perdeu e a quem ganhou, o problema é que, ao fim de 3 anos no sepulcro, chegou o tempo da ressurreição dos socratistas.
 
A maior parte do tempo, nós queremos ser uma carneirada.
Como todos nós sabemos, o Sócrates foi a cabeça oca do grupo de pessoas que levou Portugal à bancarrota. Em si, o Sócrates não tem nem nunca teve conteúdo intelectual tendo sido apenas um instrumento para que outros pusessem a mão ao poder. É uma pessoa que apenas se preocupa em saber se a sua imagem fica melhor se captada do lado esquerdo ou do direito.
Pessoas assim chegam ao poder porque a maioria de nós, a maioria do tempo, não quer pensar preferindo ser conduzido em carneirada. Um político com boa imagem, com bom tom de voz e que diga que vai acabar com tudo o que está mal e fazer tudo o pensamos ser bom, tem possibilidades de cativar o nosso voto.
É tal e qual como nos comportamos a fazer compras. Nós podíamos comparar o preço e qualidade do  produtos semelhantes e nos diversos hipermercados e escolher o que tivesse a relação qualidade/preço mais favorável mas o que fazemos é comprar as mesmas coisas sempre ao mesmo sítio. Como sempre fez a minha mãe, compramos onde há mais pessoas a comprar porque "não sendo elas burras, fica provado que o produto é bom e barato".

Fig 1 - Ir em carneirada custa muito menos.
 
Estamos no tempo certo para atacar.
Qualquer que fosse o resultado do PS, os socratistas encabeçados pelo António Costa iriam atacar.
Mesmo que o PS tivesse ganho, como "aconteceu" na Crimeia e vai "acontecer" na Síria, com 99,7% dos votos, o ataque aconteceria na mesma porque está no tempo de atacar.
O Costa poderia ter, em Julho de 2011, sucedido ao Sócrates como Secretario Geral do PS mas era tempo demais para estar na oposição.
- Não, nem pensar, vamos arranjar um para queimar, para apanhar com os tiros todos. Deixamos o Seguro brincar um pouco ao faz-de-conta-que-é-secretário-geral e quando, ele estiver já cansado de rebentar com as mina todas do terreno, aparecemos com as tropas de choque, fresquinhas, e seremos os vistos pelo povinho como os salvadores da pátria. Já ninguém se lembrará que mandamos o país à bancarrota.

Fig. 2 - Mas nem tudo o que parece ovelha, é ovelha.

Estar na oposição sem ideias desgasta muito.
Se ouvirmos as intervenções do António Costa, não existe qualquer ideia. Tudo são generalidades copiadas da campanha que o François Holland fez em 2012 e que o levou à presidência da França contra o Sarkozy. Prometeu bater o pé à Sra Merkel entrando pelo caminho do crescimento e do emprego em oposição ao caminho a austeridade traçado pelo seu opositor.
Em 2012 o PS francês teve 51.6% e, como nenhuma das suas generalidades apresentadas na campanha eleitoral poderia dar resultado, ficou-se nas eleições europeias por 14,0%.
Apesar de a maioria de nós não querer pensar, ao longo do tempo quem está no espaço público tem que avançar com as medidas concretas que implementariam  para contrariar a crise que vivemos.
Por as medidas terem que oscilar entre, por um lado, cortar mais ou menos "direitos sociais" e "direitos adquiridos" dos funcionários públicos e, por outro lado, aumentar impostos, o povinho vai lentamente tomando consciência que as generalidades não leva a lado nenhum.
Por isso é que o Costa não podia ascender a secretario Geral em 2011, era muito tempo para queimar.

Há um ano o Costa ainda avançar dois passinho.
Porque antecipou que o governo PSD+PP ia cair.
Se não atacasse e o governo caísse acontecia-lhe o que aconteceu ao Rui Rio no PSD. Deixou em 2010 o Passos Coelho ganhar sem oposição porque antecipava que o Sócrates só sairiam em 2013 e era muito tempo para queimar. O problema é que o Sócrates caiu sem lhe dar tempo de varrer o Passos de lá. Acabou.
Quando o Costa deu conta que o Passos iria aguentar, retirou-se depois de anunciar um acordo denominado "Portugal Primeiro".

Fig. 3 - O equilíbrio é sempre difícil seja entre força e beleza ou entre avançar e proteger a imagem.

Nesse acordo o Seguro comprometeu-se a fazer uma guerra sem quartel contra o governo.
Será que o Seguro está a dar cumprimento a esse acordo?
Sim.
Se antes o Seguro tinha uma politica de "cumprimento do memorando assinado pelo PS", depois disso nunca mais parou a politica do "vou rasgar tudo o que o Passos fizer" e "vamos para eleições antecipadas".
Se o Seguro está a cumprir com o acordado, como vêm agora os socratistas dizer que o costa é uma figura mais capaz de consensos?
Mandam o cão ladrar e ele obedece e, depois, dão o osso ao outro porque não faz barulho.

Será que o Soares e o Costa vão pedir a demissão do Holland?
Não falam disso o que demonstra que a sua acção não resulta do resultados eleitorais mas sim de acharem que é tempo de atacar.

Será que os resultados foram bons para Portugal?
Como sabem, depois de termos um governo do Bloco de Esquerda, da CDU ou do Partido da Terra, o pior que nos pode acontecer é ter um governo do PS em que retorne a cancalhada socratista.
Neste sentido, os resultados nas eleições europeias foram perfeitos.
H1- Se o PS tivesse ganho com mais que os 36% que teve nas autárquicas, o Costa não teria força anímica para avançar mas também o PSD+PP teria ficado muito fragilizado. Ao não avançar, o PS concentraria-se em capitalizar a vitória das europeias.
H2 - Se o PS tivesse perdido, o governo ficava reforçado mas o ataque do Costa seria visto como  o cumprimento de um dever para com o partido. Iria avançar o a "nova estratégia" podendo despertar no povinho o sentimento da compaixão.
O PS ter ganho mesmo que ligeiramente faz o Costa ser visto como um oportunista que só esteve a tourear o Seguro. Mas não ter ganho estrondosamente não enfraquece assim tanto o governo.

Fig. 4 - Mas mesmo bom para Portugal era esta jovem dizer-me "gosto tanto da tua inteligência que me tens que fazer um filho, já"


A situação é como um jogo de poker.
Vamos supor que temos uma boa mão. Se o outro tiver uma má mão, é mau para nós porque ele não vai a jogo. Mas se ele tiver uma mão imbatível também é mau para nós porque ele vai a jogo mas nós perdemos. O óptimo é ele ter uma mão que seja média para ele ir a jogo e perder contra a nossa mão.

E o que deve fazer o Seguro?
Aguentar e contra-atacar revelando as verdadeiras intenções dos socratistas.
Deve vir a público que não querem mais que entrar nas listas para deputados à revelia da vontade do povo português que os varreu em 2011.
Fazer uma politica de terra queimada pois só assim o costa e apaniguados desistem.
Estão muitos tachos em jogo, muitos conselhos fiscais de muitas empresas públicas.

Vamos agora ao Tribunal Constitucional.
Eu tenho a certeza que se os cortes viessem, como em 2011, de u governo socialista, o tribunal constitucional os aceitaria como bons.
Aceitou sem qualquer reparo o corte dos 10% no salários dos funcionário púbicos de 2011 porque saíram do governo do Sócrates.
Naturalmente, se o cortes não avançarem para 2014-2015, o único caminho que fica ao governo é o aumento dos impostos.

O IVA pode aumentar até aos 30%.
Com o controle que existe actualmente, o IVA pode aumentar 30%,
  Bens de primeira necessidade ---> de   6% para 8%
  Bens de necessiade interédia ----> de 13% para 16%
  Outros bens e serviços ----------->  de 23% para 30%
Este aumento de 30%, se proporcional, resulta num aumento da receita fiscal em 4200 milhões €.
Agora, o governo só tem que ver quanto precisa e aplicar uma regra de 3 simples.
Se os chumbos do TC andarem nos 700 milhões, será preciso subir imediatamente o IVA máximo para 25% e o intermédio para 14%.
Não estou a ar noviade nenhuma porque não há mais contas a fazer.

Mas o governo tinha uma alternativa.
Mas que não quer usar por razões que eu desconheço.
Era pura e simplesmente extirpar  do nosso ordenamento jurídico o Subsídio de Férias.
Pura e simplesmente decretava que o Subsídio de Férias acabava para pensionistas, funcionários públicos e trabalhadores privados pois foi isso que o Tribunal Constitucional usou para chumbar o corte dos Subsídio de Férias dos funcionários públicos e dos pensionistas.
Era um corte de 7% e todos os salários. Depois, o Estado mantinha o salários congelados e, se os empregadores privados pudesse e quisessem aumentar o salários em 7%, era um problema deles a que o Tribunal Constitucional nada teria a dizer.
Se de duas políticas diferentes resulta exactamente a mesma coia não poe uma ser inconstitucional e a outra constitucional.
Estão a ver como os do Tribunal Constitucional são ceguinho?

Fig 5 - Vivemos un tempos em que os cegos guiam quem vê

Pedro Cosme Costa Vieira

8 comentários:

Portuendes disse...

Tentar acabar com o subsídio de férias deveria ter também a reprovação do TC pois resultaria no corte efectivo de salários e isso é inconstitucional de certeza. Não fere o princípio da igualdade, mas sim o da confiança ou outro qualquer que não estando expresso num artigo qq do TC acaba sempre por ser invocado para justificar o chumbo... Mas, por mim, seria uma boa ideia - assim como a da TSU do Gaspar - mas, mesmo antes de ir ao TC já haveria manifs nas ruas até cair o Carmo e a Trindade...

BC disse...

A minha impressão vale o que vale mas pelo entusiasmo que tenho visto em redor do António Costa acho que o próximo PM será mesmo ele.

Quanto a mais cortes nos ordenados não posso concordar quanto as grandes reformas do Estado e privatizações estão por fazer. Essas sim são estruturantes no longo prazo. Mas se não aconteceram com Passos Coelho e num ambiente de crise não acontecerão nos próximos anos.

Acho que a grande questão será? Quantos anos precisará António Costa para levar o país novamente à falência?

Kão Vadio disse...

Se não for ele vai ser outro. Nada de estrutural foi mudado. Os grandes grupos económicos quase não foram beliscados e não deram o contributo necessário e equitativo para sairmos da aflição. Na primeira oportunidade vai-se recomeçar a gastar de forma compulsiva. Mudar a mentalidade do estado e de um povo não se faz numa legislatura. E portanto, como somos burros, vamos continuar a repetir os mesmos erros...

Pedro Alexandre disse...

Caros BC e Kao Vadio, li com muita atenção os vossos comentários, e sinceramente não consigo perceber porque é que vocês falam como se realmente tivessem a dizer a coisa mais óbvia e verdadeira do mundo.

Uma reforma do estado aserio, é reformar a constituição podre, velha cacetica e injusta.

Deixe os grandes grupos econômicos em paz, eles são o motivo para a nossa economia não ter entrado em lay off desde que os xuxas tomaram o poder a seguir ao Cavaco.

Já é a terceira bancarrota publica dos xuxas com efeitos diretos nos gge e que os fazem ir à falência, é preciso é pulso firme e acabar com esta esquerdalhada burra e muito pouco inocente!!!

Privatizações? Acho que te enganas-te por um bocadinho, julgo que estamos todos de acordo que o Passos Coelho fez mais nessa matéria que muitos outros anteriores!

Anedota do ano...

BC disse...

Fazer mais do que quase nada não é suficiente. A RTP e as empresas de transporte já deviam estar privatizadas ou fechadas.

Pedro Alexandre disse...

Caro BC, a privatização da RTP, só se for com certas condições, porque o mercado precisa de uma estação de televisão pública, porque já tem muita concorrência e não precisa de mais, uma concessão não seria mal visto.

As empresas públicas de transportes, julgo que ainda não o foram porque ainda estão a tentar equilibrar as contas para depois poderem vender.

Mas não é verdade que o Passos Coelho não tenha feito e aplicado o programa das privatizações como ficou estipulado, foi talvez a maior reforma do estado possível com esta constituição, e ainda deu para abater na divida publica, com receitas acima do esperado.

GBT disse...

Não poderia o Governo enviar o Tratado Orçamental Europeu para o TC se pronuciar sobre o mesmo?
Assim, o TC ou o ratificaria e teria de o considerar nos seus pareceres (era como se existisse uma golden rule na CRP); ou o chumbaria e teriamos de assumir que a CRP não é compatível com o Euro. Creio que os juizes seriam forçados à primeira opção e ficariam prezos ao TO.
Creio que era preferível a este impasse podre.

Kão Vadio disse...

De facto a constituição está muito desajustada nalguns aspectos a começar pelo administrativo. Tem capítulos inteiros em que fala nas regiões e coisas do género que nunca foram criadas e estão lá como se existissem. Também tem ainda uma visão demasiado socialista e não xuxalista porque as doutrinas no papel são todas boas. Mas se ela não muda é porque os partidos não querem. A constituicão não é entrave para nada. Resulta ou resultou de sensibilidades sociais e principios humanistas. Caros economistas, nem só de pão vive o homem.
Mas mesmo considerando que actualmente a constituição é um entrave o que está em causa são principios universais de igualdade e proporcionalidade que existem em qualquer constituição democrática. Portanto o governo é que é incompetente porque não sabe governar com as regras do jogo.
Por outro lado os grupos económico s são importantes para a economia mas no nosso caso são eles e sempre foram que mandaram no estado e constituem uma oligarquia da pior espécie.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code