sexta-feira, 27 de junho de 2014

Costa, Portugal precisa de ti.

Precisamos de ti como seleccionador nacional. 

Amigo Costa, disponibilizaste-te para seres primeiro-ministro de Portugal, um tacho de 6850,24€/mês que dá muito trabalho e, mesmo que faças alguma coisa de jeito que duvido, vão chamar-te ladrão e vigarista um número incontável de vezes. 
Mas se te disponibilizares para ser seleccionador nacional, na tua lógica, o Paulo Bento vai-se demitir imediatamente e tu entras tipo D. Sebastião logo a ganhar 114287,71€/mês, 17 vezes mais que a primeiro-ministro, e, mesmo que percas todos os jogos, que sejas um fracasso total, que metas só mancos e bisgarolhos a jogar, serás sempre visto como o salvador da pátria porque, "a bola é a bola e há problemas muito mais graves no país que ganhar ou perder um jogo de futebol". 
O problema é que quem trata dos problemas sem importância, o seleccionador nacional, ganha 114287,71€/mês, e quem trata dos problemas que interessam mesmo, o primeiro-ministro, ganha 6850,24€/mês. 
Deixa-te dessa ideia peregrina de ser primeiro ministro e, se queres viver a tua vida a cavalgar a onda das oportunidades, atira-te de cabeça é para seleccionador nacional. 

Como é que eu explico a eliminação de Portugal? Falem com Carlos Queiroz
Se calhar esta frase já tem 4 anos.
Claro que já ninguém se lembra da revolta contra o Carlos Queiróz por este querer meter ordem nas tropas.
Quando os soldados, o Ronaldo e Pepe, mandam mais na selecção que os generais, seleccionador e FPF, a coisa não pode funcionar. 
Claro que os jogadores hoje estão 100% com o Paulo Bento porque são eles que mandam, estes 23 mancos que ele seleccionou e os outros têm que estar calados pois, caso contrário, acusam-nos de ressentimento. 
Se perguntassem aos PIDEs, eram todos a favor do Salazar.
O futebol passa pela defesa de ferro, pelos autocarros a tapar a baliza e quem pensar o contrário leva 4 da Alemanha e 2 da Austrália. Levar 7 golos em 3 jogos é mau de mais. 

Alguém se lembra?
Na África do Sul, 2010, com o Carlos Queiróz sofremos ZZZZ EEEEE RRRRR OOOOO golos.

     Grupo G
         Portugal 0 – 0 Costa do Marfim
         Portugal 7 – 0 Coreia do Norte
         Portugal 0 – 0 Brasil

Fomos eliminados pela Espanha por 1-0 com um golo em fora de jogo de 22 cm (ver) e a Espanha foi apenas campeã do Mundo. 
O Queiróz foi despedido por incompetência e o Bento é bento.

Fig. 1 - Se fosses português e amigo do Bento, essa barriga tinha passeado pela Copa 2014. 

Vamos ao que interessa, aos números do INE.
O INE veio dizer que o défice público nos últimos 12 meses for de 4% do PIB. Apesar de o défice ser medido entre o dia 1 de Janeiro até ao dia 31 de Dezembro, este número é bastante bom. Se pensarmos que o défice vem em tendência de descer, ter já 4% de "média móvel" é um bom indicador de que não vai ser muito difícil fechar 2014 com um défice de 4%. 
A suspensão dos cortes em Junho, Julho e talvez Agosto traduz um aumento na despesa pública de 300 milhões, 0,18 décimas, mas é capaz de ser possível resolver este problema sem grandes sobressaltos.

Fig. 2 - Houve uma quebra do PIB no 1T mas a tendência está num crescimento de 1,4%/ano (dados: INE)

As horas trabalhadas estão a crescer.
No mercado de trabalho há o desemprego, o emprego e as horas trabalhadas. 
Quando alguém refere que o desemprego está a diminuir, os esquerdistas atacam dizendo que o emprego não está a aumentar. 
Quando alguém refere que o emprego está a aumentar, os esquerdistas atacam dizendo que o o número de horas trabalhadas está a diminuir. Que o emprego aumenta e o desemprego diminui porque basta uma pessoa trabalhar uma hora para contar como empregado.
Mas o desemprego está a diminuir, o emprego a aumentar e as horas trabalhadas a aumentar.
Se nos concentrarmos no número de horas trabalhadas por semana, têm aumentado, 3,6%/ano, o que é um número bastante forte. 

Fig. 3 - No últimos 5 trimestre houve aumento das horas trabalhadas, 3,6%/ano (dados: INE)

Também nos interessa a Ucrânia.
Hoje a Ucrânia, a Moldávia e a Geórgia assinaram o acordo de associação com a União Europeia.
Esse acordo é muito importante porque a Ucrânia faz parte dos grandes países europeus. Em termos geográfico será "apenas" o maior país da UE e, em termos populacionais, mesmo depois de 5 milhões de russos irem à sua vida, ainda fica com 40 milhões, o sexto país mais populoso da UE. 
A Moldávia e a Geórgia são países mais simbólicos mas a UE também existe para enquadrar os países pequenos. A Geórgia tem menos de metade da população portuguesa e a Moldávia apenas 1/3.
As economia destes países são muito débeis mas, se olharmos para o exemplo da Polónia, dentro de 20 anos podemos ter na Ucrânia uma nova potencia europeia.

A intervenção do Putin.
só vai causar prejuízo aos russos que vivem na Ucrânia. Eu já tinha previsto que, daqui a 10 anos, nem metade estariam lá e a indicação de que já abandonaram a Ucrânia 90000, dá uma indicação de como o êxodo vai mesmo acontecer.

Fig. 4 - Há uns meses, estas russas viviam na Ucrânia.

Também no fim da Segunda Guerra Mundial, 13 milhões de alemães tiveram que abandonar a Prússia Oriental e fazerem-se à vida noutro sítio. 

Fig. 5 - Aqui estão elas, antes do Putin entrar da loucura de querer roubar partes da Ucrânia. 

A guerra fria está a acabar.
O Regan sempre defendeu que a derrota da URSS seria por fatias e que, uma estocada muito importante, seria trazer a Ucrânia para a UE. Já só falta a Bielorússia e, em termos internacionais, a Síria.

Fig. 5 - A estratégia do Regan para derrotar a URSS passava pela fatiação dos seus apoios.

Pedro Cosme Costa Vieira

10 comentários:

Pedro Alexandre disse...

Caro Professor,

Julgo que esse gráfico sobre o crescimento do PIB nos tempos do Sócrates é uma fachada, tendo em conta que a dívida cresceu muito mais.

O crescimento da economia foi em termos nominais muito fraquinho, cerca de 0,49% por ano (dados: Wikipédia) e isso é que interessa realmente, não é estar a injetar dinheiro na economia com base em endividamento externo que a economia cresce de forma a criar emprego e a reduzir a divida publica.

Também concordo consigo, o Queiroz é um exemplo de quem teve sucesso em todos os cargos por onde passou excepto na selecção nacional A, não estou bem por dentro do assunto, mas de facto o Queirós tentou domar os craques e fazer-se ouvir, como treinador e líder máximo que é mas não foi respeitado porque a nossa seleção é "dotada" de muitos treinadores de bancada incluindo o Ronaldo que tem demasiada atenção e isso já lhes está a fazer muito mal aquela cabeça.

Os próprios jogadores e dirigentes têm a mania que mandam naquilo, é uma vergonha, aquilo mais parece uma selecção tipo o Gana, vão para lá para receber o seu e julgam que não devem nada a quem todos os dias os apoia e lhes paga o ordenadinho.

Cumps

Pedro Alexandre disse...

Tambem é verdade que o Queiroz asneirou no Real Madrid, mas tambem é verdade que seleção nacional é hoje em dia um lugar para quem quer acabar com um taxinho.

É a anarquiia total aquilo está tomado pelos interesses dos empresários e dos interesses dos titulares por imposição.

Fernando Gonçalves disse...

Desemprego a atenuar umas décimas devido à emigração,à precaridade e baixos salários,como o professor tanto defende.Contas públicas a melhorar com degradação da prestação de saúde às pessoas.

Pedro Alexandre disse...

Peço desculpa de falar sem saber o básico de economia, o crescimento em termos do PIB real foi 0,45%*, excluindo a taxa de inflação.

O que eu queria dizer é que o crescimento ao fim de cada ano foi muito menor se tivermos em conta o PIB real, e isso é que conta para o crescimento e criação de riqueza de um país porque elimina a distorção que produz a variação dos preços, e eu julgo que esse gráfico tem em conta o PIB nominal?

Cumps

Pedro Alexandre disse...

Caro Fernando Gonçalves,

Não me diga que é da mesma equipa daqueles que andam a defender mais direitos, zero deveres e emprego para ninguem?

A economia está a dar sinais de retoma, o desemprego é uma falha de mercado que precisa de ser combatida, com ou sem direitos emprego é melhor que viver à custa do estado, sair do país ou a ter que passar fome.

Que eu me lembra os esquedistas diziam que flexibilizar o mercado de trabalho era igual a mais desemprego e despedimentos, afinal não...

Há muita forma de combater o desemprego, há uns que acham que é a aumentar os salários, enriguecer o mercado de trabalho e tirar aos bancos e aos que criam investimento e querem criar valor acrescentado que se enriquece, há custa da inovação, do aumento da produção e do desenvolvimento sustentável, é a economia Keynesiana no seu melhor!!!

Chilavert disse...

Pedro Alexandre também não é tirar os minimos às pessoas e colocar 1 milhão de pessoas a ganhar 100 eur!
Não haveria desemprego mas essas pessoas viveriam na rua sem agua e sem luz(porque não a poderiam pagar).
Não tem nada a ver com ser direitista ou esquerdista(tenho dificuldade em compreender como se catalogam logo as pessoas por ter ideias contrarias) tem a ver com bom senso.
Concordo que o Estado é grande demais e a sua influencia em alguns sectores prejudica mas não é nas prestações sociais!Aí faz o que tem de fazer.
Os principais problemas do ESTADO devido ao tamanho da sua divida e das monstruosas PPPs(especialmente as rodoviarias que são um autentico assalto ao erário publico).
E não seja tão lesto a defender os bancos que os mesmos tem feito bastante para que lhes seja apontado o dedo(BPN e as suas trapaças,BPP e agora o BES) e têm sido mais problema que a solução.
Como disse há varias formas de criar emprego mas a melhor forma será sempre a do investimento e iniciativa(de preferencia privado).
Portugal tem claro defice produtivo em varios sectores e é por ai que tem de começar

Pedro Alexandre disse...

Chilavert,

ninguem aqui quer salários de 100€ isso não é uma situação discutível num país desenvolvido, mas tem de haver um certo equilibrio em relação ao exterior, quando entramos no euro ficámos com a ideia que tinhamos ganho o euromilhoes, e claro que a economia não deu um jeitinho que os políticos queriam, sobretudo aos esquedistas, é porque a economia tem leis que não se podem discutir...

Mas parece que os esquerdistas ainda estão para perceber isto desde que foram inventados...

Bem eu oiço com cada asneira na TV que até fico parvo a pensar se aquilo é tudo basófia propagandista sem o minimo de nível de seriedade intelectual, ou eles já nasceram assim??

Cumps

Chilavert disse...

Pedro Alexandre não foi bem a ideia de ganhar o euromilhões, o Euro foi um verdadeiro embuste!Um presente envenenado para a economias periféricas pouco sólidas.
O Euro promoveu a emergencia espetacular da bolha imobiliaria(e de bens e serviços) que estalou na cara de todos nós em 2009 cm a crise do subprime!
Sem sector primário e secundario relevantes ficamos apeados e nesta bela situação!
Mas o Pedro Alexandre sabe porque não temos sector primario e secundario(que tanta falta fazem!!!!) não sabe?

Pedro Alexandre disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro Alexandre disse...

Chilavert,

A crise de subprime é resultado do sobreendividamento da banca, nada tem a ver com a política, pois da política só veio o endividamento externo levada a cabo pela economia keynesiana, mas eu acho que eles nem de economia Keynesiana percebem mas enfim...

Pois como a economia não é da forma como muitos gostam que fosse (dinheiro para todos e mama para todo o sempre) tem regras que ou cumpres ou vais com elas para um buracão chamado falência.

O esquerdismo-capitalismo, que eu julgo que é uma fantasia criada pelo PS e que só existe desde que o povinho esteja quietinho e que a divida seja para os outros pagarem, é um brincadeira de crianças como diz o Professor.

Cumps

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code