sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Chuva em Lisboa, sol no aeroporto

Ouvi o António Costa dizer. 

"Se o país fosse governado como Lisboa" mas esqueceu-se de dizer que em 2012 Lisboa recebeu do Passos 286 milhões € (ver, Económico) o que correspondeu a 43% da dívida bancária de médio e longo prazo da autarquia lisboeta (ver, JN). 
Este dinheiro foi para "comprar" os terrenos do Aeroporto de Lisboa que tinham sido expropriados nos anos 1930, no tempo da ditadura do Salazar. 

No meu entendimento de leigo. 
Em termos morais, se um terreno é expropriado e, posteriormente vendido pelo Estado com ganho, esse ganho deve ser entregue aos descendentes dos proprietários expropriados. 
Se foi a autarquia que o pagou, o justo seria capitalizar o dinheiro que a autarquia pagou à taxa de juro média que a autarquia pagou e seria esse que a Autarquia deveria receber do Estado. 
Depois, se os terrenos foram vendidos por mais dinheiro, a diferença deveria ser entregue aos descendentes dos antigos proprietários e não ficar em quem o expropriou.

Mesmo as parcelas que foram compradas.
No tempo da ditadura as pessoas que se opusessem ao Estado corriam o risco de sofrer sérias consequências. Da mesma forma que as "vendas" que os judeus fizeram na Alemanha, Áustria, França e demais países durante os anos 1930 e 1940 foram consideradas confiscos, estas compras também foram confiscos porque tiveram por trás a ameaça de um Estado totalitário.

Se o Costa governasse Portugal onde iria buscar essa massa?
Talvez esteja a contar que a Troika se esqueça de cobrar os 78 mil milhões € que nos emprestou para taparmos a bancarrota do Sócrates. 
Assim uma coisa tipo Madeira que pede dinheiro emprestado à República do qual sabe que nunca vai pagar sequer um euro.

Fig. 1 - Se a Madeira fosse governada como Lisboa, seria governada exactamente como é. 
Os de Lisboa até já nos estão a copiar a estratégia de mamar no contenente à custa das cheias.

A RTP e a liga dos campeões.
Pura e simplesmente, as pessoas que tiveram esta ideia deveriam ser imediatamente demitidas. 
A RTP suga-nos todos os meses uma parte muito substancial dos 2,65€ que pagamos na conta da electricidade para pagar 19 milhões por uns jogos é uma vergonha (ver).
Além dos milhões que nos cobram juntamente com a electricidade ainda recebem todos os anos milhões para cobrir os prejuízos além do orçamento.

E é concorrência desleal.
O argumento é que "transmitir jogos da Liga dos Campeões é um serviço público". Então, como a TVI ia transmitir os jogos dos campeões europeus, deveria receber parte da contribuição audiovisual para pagar os direitos. Naturalmente, não havendo a concorrência desleal da RTP, o preço a pagar seria significativamente menor. E nunca estaria em causa o acesso das pessoas a essa coisa que é mais importante que o telejornal.

Fig. 2 - Despedimento imediato dos fulanos da RTP.

Os vistos gold e a regularização dos imigrantes americanos.
Os países desenvolvidos lutam contra a baixa natalidade. 
Como fica muito caro criar um filho e o resultado que se retira dai é nulo. Então, é melhor ter um gato ou um peixe.

Fig. 3 - Um gato gordo fica mais barato que um filho magro.

Fig. 4 - Se é triste ver o gato gordo morrer, arranja-se uma carpa que dura mais de 200 anos.

Em alternativa, há os imigrantes.
Ficam muito mais baratos do que fazer e criar filho. Não berram de noite, não é preciso levar ao infantário, à escola, ao ballet, à natação, nada, e já vêm prontos a trabalhar.
Melhor ainda é entrarem cá pessoas com 500 mil euros.
Bastavam 450000 imigrantes desses para pagar a nossa dívida pública.

Os vistos gold têm vários problemas.
Deveriam seguir o exemplo americano.
Serem considerados vários critérios e, cada um, contar para a atribuição de uma pontuação ao candidato ao visto.
Mas deveria contar não só o investimento imobiliário, o depósito bancário e os postos de trabalho criados mas também a escolaridade e a capacidade de criar riqueza no nosso país.
E isto deveria ser feito de forma rápida e transparente. Qualquer pessoas ser capaz de calcular a sua pontuação e, caso entrasse um pedido de visto com a pontuação desejada, o visto deveria ser atribuído automaticamente.

Será a medida do Obama de legalizar os imigrantes ilegais correcta?
Não parece lógico dar visto de trabalho a uma pessoa que estão  ilegalmente na América há mais de 5 anos.
Será igual a promover a guarda prisional todas as pessoas que estejam presas há mais de 10 anos. Digamos que conhecem a cadeia por dentro. 
Mas, em termos práticos, tem alguma lógica.

São comprovadamente trabalhadores que não levantam problemas.
Que já está há 5 anos na América sem nunca ter chamado a atenção da polícia é porque é trabalhador. Claro que sabemos que violou a lei da imigração, entrou saltando a fronteira mas, se dissermos que o fez por amor à América, isso pode ser ultrapassado.
Digamos que o sistema é que falhou na identificação de uma pessoa válida para a sociedade americana.

Fig. 5 - Milhões de portugueses emigraram ilegalmente, milhares para os USA

E, a todo o tempo, o legalizado pode ser expulso.
É que a legalização vai ser de "segunda escolha".
Se o imigrante causar algum problema, zumba, imediatamente posto fora.
Por isso, parece-me um bom negócio para a América.
E também é um bom negócio para o imigrante pois vive sempre com medo de ser deportado para países onde ele não quer estar seja o México, Honduras, o Brasil ou Portugal.

Podíamos ter 50 milhões.
Não existe um número óptimo de pessoas para um país. A Austrália é 80 vezes maior que Portugal e tem pouco mais que o dobro da nossa população.
O Japão tem o triplo da nossa área mas tem 12 vezes mais população e 70% do território são montanhas.
Por isso, nós temos 10,5 milhões mas tanto podíamos ter 1 milhão como 50 milhões  de pessoas.
A única questão é que não fazemos filhos suficientes para termos 50 milhões e não nos conseguimos adaptar a uma população em contracção.
Até poderia ser bom juntarmos à nossa população uns 40 milhões de chineses, indianos ou africanos a trabalhar para nós. Impúnhamos que cada um tinha que pagar 1000€/ano para renovar o visto e, depois, dávamos-lhe liberdade para irem trabalhar por essa Europa fora. Num repente, arranjávamos 40000 milhões € por ano, dinheiro suficiente para o António Costa governar Portugal como tem governado Lisboa.

Fig. 6 - Mim palecer chinês mas sele plimo dileito de Vasco Loulenço e segundo de José Cid.

Pedro Cosme Vieira

2 comentários:

Pedro Alexandre disse...

Caro Professor,

Finalmente um esquerdista no país vai parar à cadeia, a justiça começa a funcionar no país.

Isto tem claras ligações aos xuxas, e ao governo anterior, mas é claro que agora vai haver uma tentativa de colar isto aos políticos e dizer que são todos corruptos.

Relativamente aos vistos gold, além do claro exagero que tem sido este caso, isto é normal.

A culpa não é de quem praticou esses atos mas sim de quem fez a lei, a partir desse momento pode ser violada e as influências e as irregularidades acontecem.

Cumps

Fernando Gonçalves disse...

Pois,o sonho da direita: encher o país de gente mal paga,a fazer concorrência aos nossos trabalhadores,e exercendo uma pressão territorial tão forte que arrastaria os pobres para a periféria,e os ricos junto ao mar.O mundo perfeito neoliberal!Professor,se as pessoas não têm dinheiro para comprar as casas vazias e se têm poucos filhos vamos dar-lhes mais poder de compra,não colocar o país à venda.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code