sexta-feira, 8 de maio de 2015

O Camarão e o Costa

Esta semana foi muito interessante.

Houve o combate Pacquiao-Mayweather, o combate Paulo Portas - Passos Coelho e, para terminar, as eleições no Reino Unido.

O Costa deve estar com uma cabeça ... 
É que no Reino Unido tudo indicava que o David Cameron, a versão em terras de Sua Majestade do nosso Passos Coelho, iria perder (mesmo que à tangente). Mas não aconteceu nada disso.
Comparando com as anteriores eleições, o "Passos Coelho inglês" teve uma vitória estrondosa com mais 23 deputados e o "António Costa inglês" teve uma derrota nunca vista desde 1987, menos 26 deputados.

Mas não é o Cameron um neo-liberal austeritário?
Pois é. O "Passos Coelho inglês" (o David Camarão) seguiu a política de "austeridade" e a agenda "neoliberal" e re-ganhou agora as eleições com maioria absoluta.
Pelo contrário, o "António Costa Inglês" (o Mini qualquer coisa) prometeu tudo e mais alguma coisa, seguir o "outro caminho", acabar com a "austeridade" e perdeu como já não acontecia desde 1987, já lá vão 28 anos.
Juntando o que se passa com os esquerdistas na Grécia e na França, isto deve estar a dar ao António Costa uma dor de cabeça do outro mundo.

Fig. 1 - Óh Seguro, pá, não me venhas agora chatear que eu estou com uma cabeça de camarão.

Serão os britânicos mais inteligentes que os portugueses?
Não acredito.
O António Costa pode acreditar mas eu não.
Cada vez mais tenho a certeza que, chegando a Outubro, o Passos Coelho vai ganhar.

A Guerra Paulo Portas - Passos Coelho.
Num livro qualquer, o Passos Coelho disse que, em 2013  (ver, DN), o Paulo Portas se demitiu por SMS e o Paulo Portas ficou muito desagradado porque, diz, o pedido foi em papel.
Este combate fez-me lembrar o famoso combate de 2 de Maio entre o Pacquiao e o Mayweather.

Vamos ao boxe.
Os dois homens, um filipino (Pacquiao) e outro afro-norte-americano (Mayweather), andaram à murraça tempos infinitos, pensam vocês e pensei eu, porque são grandes inimigos.
Concerteza, pensei eu, porque se odeiam por motivos raciais e religiosos, marcaram aquele combate em Las Vegas para darem murraça um ao outro até um deles cair para o lado, totalmente derrotado.

Pelas mesmas razões.
Também por se odiarem, o Paulo Portas e o Passos Coelho iniciaram o já famoso combate SMS-Papel.
Pensei eu que o Paulo Portas e o Passos Coelho são inimigos figadais e, como o boxe é muito selvagem e aleija, a melhor forma que encontraram para se degladiarem foi concentrarem todo o seu ódio mútuo na forma (SMS ou Papel) da apresentação da demissão.
Realmente é a história "do papel, que papel, o papel, mas que papel, o papel."

Provavelmente, estou enganado.
Penso que estou como os "12 Sábios Socialistas", ninguém acredita no que eu acabei de dizer.
Vejamos o que dizem os "12 Sábios Socialistas": 
     => Gastar mais e, assim, reduzir a despesa; 
     => Diminuir impostos e taxas e, assim, aumentar a receita fiscal; 
     => Aumentar o consumo e, assim, aumentar a poupança
    => Aumentar os salários e os impostos sobre as empresas e, assim, aumentar as exportações 6%/ano.
     =>  Manter tudo na mesma e, assim, passarmos a ter um crescimento económicos muito superior às melhores previsões do Passos Coelho, do FMI, da OCDE e da União Europeia.

Mas só eu é que acredito que isto é possível.
Prova de que ninguém acredita nestas coisas, veremos que nem os "12 sábios", é que as taxas de juro não param de crescer desde o dia em que começaram a sair "ideias sábias" cá para fora.

Fig. 2 - Aumento da taxa de juro da dívida pública portuguesa a 10 anos desde que se conhece o "enquadramento macro-económico" dos "12 Sábios Socialistas"

Será a magnitude do aumento importante?
Na segunda semana de abril a taxa de juro a 10 anos estava em 1,60%/ano, a mais baixa de todos os tempo. Como devemos 220 mil milhões de euros, se toda a dívida estivesse remunerada a essa taxa, o encargo em juros seria de 3,5 mil milhões de euros por ano o que traduziria que cada português empregado teria que pagar em impostos 62€ por mês para juros da dívida pública.
Agora, com a taxa de juro nos 2,40%/ano, cada português que trabalhe terá que pagar em impostos 93€ para o mesmo, mais 31€/mês que cada terá a menos em cada mês.
A folha de cálculo dos "12 Sábios do PS" (que está na p. 95 e que é uma cópia foleira da famosa folha de cálculo do Gaspar) faz com que cada um de nós que tem emprego tenha menos 31€/mês no bolso.
É muita fruta, uma brincadeirazita que nos custa bom dinheiro no bolso.

Mas o próprio documento assume-se como fraudulento.
Se repararmos no título "12 Sábios S...ocialistas", contém uma pista para os mais atentos compreenderem que aquilo é um embuste, tudo falso, nem foi feito por sábios e muito menos 12. Se recuarmos 110 anos, vemosa ligação aos "12 Sábios S...ionistas", um documento anti-judaico fraudulento publicado em princípios do Séc. XX  alegadamente escrito por "12 sábios" mas que foi escrito por uma pessoa só e para passar às mentes fracas a ideia de que os Judeus pretendiam dominar o mundo.
Agora é a mesma coisa, os "12 Sábios S...ocialistas" pretendem passar às mentes fracas portuguesas que o "neo-liberalismo" não presta, que já foi derrotado por esse mundo mais civilizado do que nós e que, tal como já só sobra Cuba agarrada ao comunismo, sobra Portugal, país atrasado e tristonho, agarrado ao neo-liberalismo, dominado por uma tirania bicéfala não eleita Passos - Porta.

Sim sim, não eleita.
E por isso é que o Não Sei Quê da Nódoa retomou as palavras do General Sem Medo de 1959.
"Se eu fosse Presidente da República em vez do Cavaco, obviamente, teria demitido o Passos Coelho."

Mas vamos ao combate Portas-Coelho.
Vim a saber que, afinal, o Pacquiao é muito amigo do Mayweather e que o combate foi teatro, apenas para meterem ao bolso mais de 200 milhões de dólares.
Ora ter-me enganado no combate de boxe, em que eu vi que eles davam mesmo murros um ao outro, diz-me que também posso estar enganado relativamente ao combate SMS-Papel.

Será que esse combate também é teatro?
Com tantos especialistas em marketing político, essas gafes não poderia ter passado por engano..
Então, o mais certo é que a guerra SMS-Papel seja falsa não passando de uma encenação.
E o Paulo Portas ter sido referido como "líder do maior partido da oposição" faz parte dessa estratégia política.

Leça é o segunda maior rio do Mundo.
Que passa na cidade do Porto.
Aqui é igual, parece que o Passos se enganou mas não, apenas não acabou a frase.
"Paulo Portas é o líder do maior partido da oposição [que faz parte do governo]"
Realmente, o PP é o maior partido da oposição que está no governo, o PP faz oposição dentro do governo e o PS faz (?) fora do governo.
É esta a mensagem subliminar que o Passos pretendeu passar (viram o trocadilho?).

E porquê?
Porque é preciso alargar o espaço político do governo para cima da oposição. Agora que nos aproximamos das eleições, é preciso expandir a base política do governo para dentro da "oposição", para as pessoas que são tradicionalmente do PP (agricultores, velhinhos e feirantes) mas que querem dar cabo do Passos.
O Costa deixa assim de ser a oposição pois nada pode fazer e o Porta assume o lugar do moderador do ímpeto "neo-liberal" do Passos Coelho. Em último caso, mesmo que ganhe o PS, o Porta manterá esse papel num futuro governo de coligação.

Fig. 3 -  Como dizem os chineses, há que dividir o ser em Yin e Yang, em governo e em oposição, em bem e em mal, em movimento e em quietude, em força e em subtileza.

Hoje fui ao café.
As coisas estão a correr muito bem.
No meu emprego tomaram consciência de que vivemos num país onde existe liberdade de expressão (agradeço os e-mails que enviaram).
A minha fama já acabou tendo o número de visitas diminuiu de alguns milhares por hora para 200 por hora

Fig. 4 - Daqui a nada, já ninguém se lembra de mim, vou ficar como o Seguro, que será feito do homem?

Mas hoje no café a D. Irene disse "Eu depois preciso falar consigo."
Eu fiquei um bocadinho preocupado porque o marido, o João Pereira, foi, há mais de 50 anos atrás, "da governança do Governador da Guiné-Bissau" (não sei o que isso seria mas o senhor anuncia-o com orgulho) e é uma antiga gloria do clube de futebal da minha terra que até chegou a jogar pela Selecção Nacional de Futebol.
Mas foi pela Selecção Nacional de Futebol de Cabo Verde. É que o Sr. é moreno, estão-mke a perceber.
Sendo que nos jornais dizia que eu era o maior racista do mundo, que fazia o Hitler parecer um menino de coro, pensei que iria ouvir das boas.
Mas não, recebeu no café "um telefonema de Lisboa, duma televisão qualquer, se calhar da TVI a perguntar como era ser visinho de um racista tão perigoso"
Interessante que a D. Irene respondeu sem papas na língua "Olhe a senhora que sendo o meu marido preto, ele vem cá ao café e sempre nos tratou muito bem. Se fosse racista como diz, não viria aqui pois não faltam cafés. E os meus filhos são mulatos e ele tratou-os sempre muito bem. Por isso, não pode ser verdade isso que está a dizer."
Penso eu nas minhas orações noturnas "Meu Deus, porque castigas tanto os da comunicação social ao ponto de terem que fazer coisas destas para conseguir vender papel?".
Deus responde-me que "pior é eu obrigar milhares de criaturas minhas (de Deus) a pagar milhares de euros para poderem entrar em barcos cujo risco de naufrágio é enorme."

Eu ainda queria falar de demografia.
Queria imaginar como seria Portugal daqui a 100 anos se a taxa de fertilidade média das mulheres portuguesas se mantiver nos 1,22 filhos.
O cálculo não é simples mas fiz um programa em R para fazer a simulação e, no przao de 100 anos, a nossa população (portuguesa) ficará reduzida a 2,2 milhões de pessoas.
Por isso, o melhor é dizermos aos italianos que temos direito a uma certa cota dos que chegam a Lampedusa e fazermos deles portugueses.
Por falar nisso, eu tinha uma emrpegada ucraniana, a Olga, que falava muito mal português. Agora já não tenho e tenho uma portuguesa, a Olga, que fala muito mal português (perceberam? "Olga ser portugusa, com quirtão do Cidadé e passaporta, tudi, num pareci mas ser portugusa.")
Uma portugusa loura, de olhos bem azuis mas, mesmo assim,  sem beleza nenhuma.

Fig.5 - Evolução da população portuguesa em 2115 em função da taxa de fertilidade, em steady state (cálculos do autor).

Os Judeus na Alemanha.
Faz hoje 70 anos que acabou a WWII, tempo de enorme barbaridade.
Eu referi que na Alemanha morreram muito menos judeus do que noutros países (em percentagem) e que no fim da WWII havia mais judeus na Alemanha que em 1930.
O que se passou é que, como a Polónia e a Austria (até 1955) ficaram para o Staline, os judeus salvos dos campos de extermínio ou escondidos (que estavam na Polónia, Ucrânia, Austria) foram deslocados para campos de refugiados na Alemanha. Nas estatísticas não são referidos como "judeus alemães" porque estavam apenas em trânsito para Israel.
Também Paris, no fim da WWII, recebeu milhares e milhares de refugiados (judeus e outros) que ficaram a viver em bairros de lata que, nos anos 1950, acabaram ocupados pelos nossos emigrantes..
Foi só isso e para mostrar como uma ameaça credível (de que vamos matar todos) evita que as pessoas morram.

Pedro Cosme Vieira

5 comentários:

Miguel Matos disse...

Agora que o pó assentou é preciso dizer-se que é de lamentar a campanha de ódio levada a cabo contra o Pedro. Tudo começou com o Duarte Marques vs. Louçã. É preciso que se diga que quer um quer outra estão-se a borrifar para o Pedro. O Louçã usou-o como arma de arremesso contra o DM. O objectivo ali era diminuir o seu adversário, independentemente de estar a ser justo ou não com o Pedro. E o seu objectivo foi conseguido, pois DM sentiu necessidade de se defender na crónica semanal no expresso da semana seguinte.
O que se passou no resto da imprensa foi ainda mais baixo. Uma certa imprensa viu uma faísca e sentiu a oportunidade de criar um incêndio. Basta ler os seus posts para perceber a sua mensagem. Se o Pedro fosse racista nunca eu leria os seu blog. Pelo contrário, o Pedro critica os falsos humanistas que são do género: "coitadinhas das pessoas que vêm nos barcos... mas não as queremos cá". Contudo a imprensa propôs-se a inventar uma história baseada em frases fora do contexto e conseguiu: "o Professor mais odiado do país", "Professor assume-se racista"... Eles já sabem que 95% das pessoas lêem os títulos e comentam sem realmente lerem os conteúdos. Enfim...
Vendo o lado bom: muita gente veio cá espreitar, leu e gostou. Ganhou um maior número de seguidores.
O lado mau: Sempre que quiser "pôr a cabeça de fora" e tentar fazer alguma coisa a nível de cidadania alguém vai trazer o assunto deturpado à baila e diminuí-lo enquanto pessoa e não enquanto ideólogo.
Como disse o Mourinho: "Os cães ladram e caravana passa..."

Um bem haja!

Tiago Mota disse...

fico contente que a sua fama tenha acabado, fico contente que a direita da austeridade no UK tenha ganho e fico contente que a FEP não tenha caído na pressão da comunicação social para o despedir.

Ja agora fico contente por não descriminar uma pessoa pelo facto dela ser de outra raça.

Antonio Sousa disse...

Estar a relacionar a subida das taxas de juro de Portugal com o programa socialista é de pouco rigor intelectual. A subida tem sido generalizada e não afecta apenas Portugal.

As promessas socialistas podem ser ridículas, mas não é por causa disso que as taxas estão a subir.

Económico-Financeiro disse...

Estimado António Sousa,
Estarem as taxas de juro a subir em todos os países só pode demonstrar que o programa socialista tem impacto mundial!
Os dados, depois de torturados, dizem o que quisermos.
1ab,
pc

Tiago disse...

Professor, gostaria de saber a sua opinião relativa às publicações de Krugman que defende uma política oposta à da austeridade (para facilitar deixo ficar aqui o link: http://www.theguardian.com/business/ng-interactive/2015/apr/29/the-austerity-delusion ).

Obrigado :)

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code