segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Fui eu que acabei com o Espaço de Schengen

Lembram-se de eu ter escrito que "Sou tão racista como os outros"?

Nessa altura, todo o mundo caiu em cima de mim. 
Mas que mal tem eu assumir-me como os outros, meter-me dentro da média?
É que, diziam os esquerdistas encabeçados pelo Loução na sua estratégia de deturpação semântica, que eu tinha escrito "Sou Racista" e que os outros não são nada mas mesmo nada racistas.
Até a Chanceler Merkel se deixou tocar no coração e, no principio do mês, anunciou que abria as fronteiras alemãs para todos os coitadinhos que há por esse mundo fora.

O problema é que coitadinhos há às centenas de milhões por esse mundo fora.
Sempre achei estranho esses anúncios de amor alemão pelos refugiados porque não vi materializar-se no envio de aviões para os ir buscar à fronteira síria.
Para quê expô-los ao perigo de atravessar 1600 km na Turquia (de Kiziltepe, no kurdistão sírio, até Ayvacik, em frente a Lesbos), de atravessar o mediterrâneo em barcos precários, ao sofrimento na ilha das lésbicas, na fronteira com a Macedónia, no arame farpado húngaro e na marcha a pé até até Viena quando os alemães poderiam facilmente mandar um avião buscá-los aos aeroporto de Kızıltepe?
Seria tão fácil, sendo a distância de Kizitepe a Berlim de pouco mais de 3000km, num voo charter faziam a viagem em menos de 4 horas e com um custo na ordem dos 200€. Um avião A380, com duas viagens por dia, seria capaz de trazer 600 mil pessoas num ano, 1500 por dia.

"O problema dos refugiados é um problema alemão"
O problema é que os esquerdistas não sabem o que são "As Expectativas Racionais."
É que chegavam apenas umas centenas de refugiados por dia à Alemanha porque a Turquia, o Mediterrâneo, a Grécia, a Macedónia e a Hungria não os deixavam passar. 
Quando a Sr.a Merkel começou a criticar a desumanidade de tratamento infligida aos refugiados pelos gregos, eles pegaram em barcos e levaram-nos para a fronteira da Macedónia, a macedónia mandou-os para a Sérvia que os meteu em autocarros até à fronteira húngara. Não aceitando a critica alemã, a Hungria abriu as fronteiras e, de repente, começaram a chegar à Alemanha mil pessoas por hora.

Fig. 1 - Rápido, chamem o Presidente da Câmara de Lisboa para salvar os seres humanos que vêm naquele barco que já está debaixo da mira da Sr.a Merkel!

Onde para agora a Sr.a Merkel?
Se eras tão defensora dos refugiados, como é que mandaste fechar a fronteira alemã?
Parece-me que na semana passada te deixaste tomar pelo populismo.

Fig. 2 - Eu sou amiga dos refugiados mas enquanto estiverem bem longe daqui.

Reparem bem na hipocrisia.
Por exemplo, as paróquias portuguesas começaram a dizer que recebiam cá refugiados porque sabem que, uma vez cá, por terem liberdade de movimento dentro do Espaço Schengen, partirão imediatamente para a Alemanha.
Lembram-se daqueles 74 sírios que, em finais de 2013, vieram embarcados à força de Bissau e que levou à suspensão dos voos da TAP para lá?
Sabem onde neste momento eles param?
Não sabem? Nunca mais ouviram falar deles? É que estão na Alemanha!

Agora,a Alemanha acabou com o Espaço de Schengen.
Podem dizer que suspenderam mas essa suspensão vai-se perpetuar no tempo.
Não é possível a Alemanha que, apenas há 70 anos, exterminou milhões de pessoas para "manter a raça pura", de repente, se disponibilize para receber milhões de refugiados muçulmanos, indianos e africanos.

Já ninguém se lembra.
Mas foi há apenas uns 25 anos, a Alemanha pagou bom dinheiro para incentivar que os emigrantes portugueses (que foram para lá na década de 1960) viessem embora.

O Espaço Schengen vai acabar.
Pois, caso contrário, qualquer país é livre de fazer de bom da festa recebendo milhões de refugiados pois sabe que, passos alguns dias, eles se vão embora para a Alemanha.
Enquanto a Polónia, Eslováquia, Hungria, Croácia, Hungria, Itália e Espanha faziam o trabalho sujo de não deixar os refugiados chegar à Alemanha, a Sr.a Merkel podia fazer de fada madrinha. Agora, vai ter que fazer o papel de mau!

Será que vão afundar os barcos da pre---da?
Já faltou mais.
No dia 23 de Fevereiro de 1942 os turcos rebocaram um pequeno barco com o motor avariado para o largo da sua costa.
Na manhã seguinte de manhã, um submarino soviético afundou o barco com 921 pessoas a bordo tendo apenas se salvo David Stoliar.

Fig. 3 - A Alemanha vai-nos receber pois Deus já afogou o bloguista.

Vamos às eleições portuguesas.
Estranhamente, apesar de faltarem apenas 3 semanas para o António Costa se tornar primeiro ministro, as manifestações a pedir coisas são feitas junto do Passos Coelho e do Portas.
São os professores, os lesados do BES, os guardas prisionais, os GNRs, tudo a perseguir o Passos Coelho  e o Portas a pedir-lhes coisas.

Porque será que ninguém pede nada ao António Costa?
Alguém acredita que o Passos Coelho vai fazer alguma coisa nos próximos 20 dias?
Não seria melhor fazer essa pressão junto do próximo primeiro ministro?
Se, dizem os comentadores políticos esquerdistas (isto é, todos) que o Costa está numa dinâmica de vitória, o povinho deveria fazer pressão junto do Costa.

O problema é que todos já sabemos que o Costa vai perder!
Até já estou a imaginar o discurso do Costa na noite de 4 de Outubro:

"Não posso ser crucificado com o argumento de que o PS perdeu as eleições porque derrota estrondosa teve a direita que apenas conseguiu a pior vitória de todos os tempos, nunca ninguém tinha ganho por tão poucochinho.
Hoje, o PS teve uma grande vitória conseguindo a derrota por mais poucochinho da história da democracia. 
Quem perde por poucochinho, pode fazer muitinho na oposição."

O problema dos 20 emigrantes e dos 20 mil €.
O problema da nossa esquerda é que tem uma visão salazaral da emigração.
Lembram-se do que dizia o Salazar para não deixar as pessoas saírem para a França?
Dizia exactamente que "Portugal precisa destes jovens para se desenvolver."
Exactamente o que diz agora o António Costa e demais esquerdistas.
Ainda não ouvi nenhum emigrante a queixar-se de ter partido.
Lembram-se dos emigrantes que faziam parte do governo do Passos Coelho?
Que é feito do Santos Pereira e do Gaspar?
Voltaram a ir para as suas vidas no estrangeiro
E qual é o futuro anunciado do Poiares Maduro?
Voltaram a ir para a sua vida no estrangeiro.
E o Relvas?
Emigrou para o Brasil.

Se é mau dar 20mil€ a 20 o que será que o Costa vai dar?
Lembram-se daquele plano do Sócrates de mandar vir os "cérebros" portugueses que estavam espalhados pelo Mundo?
Quantos estarão cá?
Porque será que o Costa não fala disso, não faz um balanço desse plano do governo socialista?

Será que, como diz o Costa, o Passos Coelho assassinou 300 mil pessoas?
O INE refere que em 2011 havia 10 542 398 residentes em Portugal e que em 2014 eramos 10 374 822. Assim, houve uma redução de 167576 e mesmo assim, 69907 pessoas desapareceram por terem morrido mais pessoas do que as que nasceram.
Então, o Passos Coelho assassinou 97669 pessoas, bastante longe das 300 mil que o Costa diz terem desaparecido.
Aplicando a mesma proporção ao crescimento do estudo macroeconómico dos 12 macacos do PS, os 3,0%/ano vão ficar reduzidos a 0,98%/ano.

Por favor!
Esquerdistas desmiolados, para vosso bem consultem os dados do INE, pois fica mal deixarem o senhor dizer tanta asneirada.
Já basta aquela de que o Passos Coelho juntamente com o Catroga chamaram a Troika e que o Sócrates juntamente com o Teixeira dos Santos a mandaram embora.

Estive a ouvir há poucochinho tempo.
E, afinal, o número que o Costa avançou foi que desapareceram 350 mil portugueses!

A mentira do PEC IV.
O Costa voltou à tecla do Sócrates de que "se o PEC IV não fosse chumbado, a TROIKA não seria necessária."
Claro que já ninguém se lembra mas o PEC IV foi chumbado no finais de Março de 2011.
Em Fevereiro de 2011, a taxa de juro a 10 anos da dívida pública portuguesa foi de 7,34%/ano.
Se agora, com 2,50%/ano, todos os esquerdistas dizem que a dívida pública portuguesa é insustentável, como pode o Costa dizer que, em 2011, com 7,34%/ano era sustentável?
Repesentava "apenas", encargos anuais em juros superiores a 15 mil milhões de euros por ano, igual ao total das pensões pagas ao velhinhos!

Estava aqui a pensar um coisa.
Se era sustentável pagar 15 mil milhões de euros por ano, também é sustentável a Europa receber 250 milhões de refugiados.
Na Europa somos 500 milhões. Se cada um de nós meter uma refugiada boa na cama, poderemos receber  250 milhões de refugiadas!

Fig. 4 - Eu podia ficar com uma do Mali, são magrinhas!

Pedro Cosme Vieira

2 comentários:

António Pires disse...

Concordo, de um modo geral, com as opiniões abalizadas do senhor superintendente deste blog espaço aberto de liberdade e tolerância. O drama da tragédia dos refugiados pode ser abordado a partir de outras perspetivas, como eu faço recuando no tempo:
Ao mesmo tempo que as aldeias rurais quase só existem nas memórias dos seus derradeiros habitantes, o mundo vai-se transformando numa única e imensa aldeia, onde o meu vizinho tanto é o chinês que come arroz com dois pauzinhos, como o esquimó que se protege do frio no interior da sua habitação de gelo, ou o senhor Ferrão, do segundo esquerdo, que não sabe que as duas da manhã não são horas para ouvir rádio no volume máximo!
O sofrimento, e a morte !..., dos refugiados que, nos últimos dias, têm estado debaixo dos focos mediáticos, toca-nos a todos – não podemos ignorar !, tal como nos alertava Sophia de Mello Andresen.
As reflexões seguintes procuram esclarecer muita gente, enganada e inocente, que não sabe que por trás das declarações tonitruantes dos representantes políticos da alta finança e da indústria das armas de destruição maciça escondem-se as mentiras e maldades abjetas daqueles que provocaram esta tragédia humana dos refugiados. A minha esperança está na bondade das ideias racionais que defendo e quero partilhar com milhões de pessoas, através da internet, na certeza de que o amor, sendo mais forte do que o dinheiro e o armamento pesado de uma minoria insignificante e má, impedirá para sempre a loucura da guerra!
Temos de voltar aos Açores, ao ano de 2003, quando um Cherne recebeu na Base das Lajes três estadistas: Bucho, Bleizer e Asno. Ficou então decidido, pelo americano, que o Iraque devia desaparecer da face da Terra porque, por um lado, os iraquianos eram maus como as cobras e, por outro lado, o seu petróleo era melhor do que o milho!
Depois é o que todos já sabem: não ligaram aos apelos de paz do Sumo Pontífice, fartaram-se de matar a tiro e à bomba pessoas que apenas tinham cometido o “crime” de serem iraquianos, destruíram o estado mau e no seu lugar colocaram os fantoches traidores que governariam o novo país. Como seria de esperar, a anarquia instalou-se imediatamente e hoje os iraquianos humilhados e desesperados matam-se uns aos outros. As tais armas químicas de destruição maciça, essas, nunca foram encontradas – afinal não passavam de um mero pretexto!
O peixe graúdo e os seus três amigos, quais jogadores alcoolizados de taberna, continuaram a divertir-se, ao longo dos anos seguintes, assistindo ao efeito dominó, desencadeado com a destruição do Iraque, da queda em catadupa da Síria, da Líbia, do Egito e de outros países, todos por mera coincidência mal governados por ditadores cujo atraso mental ia ao ponto de apoiarem moralmente o povo oprimido da Palestina!
Os primeiros responsáveis pela hecatombe vêm agora, com lágrimas de crocodilo, pedir a países miseráveis como Portugal, que eles classificam abaixo de lixo, que contribuam com boas casas, alimentação e muito dinheiro, obviamente, no acolhimento condigno dos refugiados vítimas das suas armas e do seu dinheiro sujo!
Como eles é que mandam, Portugal pode vir a ser obrigado a receber dois ou três milhões de migrantes forçados, a instalar numa faixa litoral com 12 km, entre Caminha e a Figueira da Foz. Então, sim, a nossa sociedade será realmente mais rica, pelo menos no que diz respeito à multiculturalidade, acabando de vez com a supremacia do cristianismo, à multietnicidade e à multi-imbecilidade, também!...
Num mundo decente, todos os refugiados teriam direito a usufruir de corredores aéreos que os fariam chegar às terras onde vivem à grande aqueles que os obrigaram a abandonar os seus lares, como o estado de Nova Iorque, onde o dinheiro não falta, ou o estado do Alasca, onde o que não falta é espaço!

deathandtaxes disse...

Desta vez a Frau Merkel meteu a pata na poça...
Eu, por exemplo, quando vou a uma jantarada com os meus amigos sou o primeiro a anunciar:

ATENÇÃO PESSOAL, SOU EU A PAGAR... os cafés...!
Assim, passo por bonzinho e a minha conta fica um poucochinho mais baixa.

Em relação ao Costa: nem há palavras para descrever... A única razão que as sondagens ainda lhe dão alguns votos, é porque o nível cultural em Portugal ainda é poucochinho.
Neste momento as poucas pessoas que votam no PS (os reformados, o funcionários públicos, os sindicalistas, os "Boys" do PS, alguns PC's e alguns broquistas) estão baralhadas - alguns destes já há muito tempo... é que estão todos no sindicato, ou estão velhos.
Neste momento, a maioria destas pessoas já nem sabe o que é a "Troica". Mal percebem o recibo de vencimento... ou a declaração de IRS...
De qualquer forma, mesmo que por azar, mesmo muito azar o PS ganhasse as Legislativas, com maioria relativa ia fazer poucochinho. Vai ser a desculpa para não implementarem o programa eleitoral...
Provavelmente, farão apenas a parte boa para a pop, e má para a despesa. Em seis meses, vamos para a insolvência, com o patrocínio do "Avante e da comunidade LGBT.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code