sexta-feira, 2 de outubro de 2015

A sondagem das sondagens

Hoje estão disponíveis muitas sondagens. 
O que permite, fazendo uma meta-análise, melhorar os resultados de cada uma delas.

Numa "super amostra" com cerca de 9230 inquiridos, o PSD tem 38,8%, o PS tem 33,3%, a CDU tem 8,5% e o BE tem 6,6% (O PSD+PP com uma vantagem de 5,5 pp).
Podemos pensar que, ao longo da campanha, existem tendências, o PSD+PP e o PS parece que desceram dois pontinhos cada e a CDU e o BE subiram dois pontinhos cada. Mas, em termos estatísticos, está tudo dentro da normal oscilação das sondagens.





O "Erro de amostragem"
Vou pegar no meu programa de R e calcular o erro, agora para os 4 partidos e com 9230 respostas.
Vamos ter (com 95% de confiança):
  PSD+PP ==> de 37,5% a 40,1%
  PS ======> de 32,1% a 34,6%
  CDU ====>  de  7,8% a 9,2%
  BE ======> de 6,0% a 7,2%

Vantagem do PSD+PP relativamente ao PS => 3,37p.p. a 7,78p.p.

E como se determinam os deputados?
A maneira mais fácil é pegar nas votações anteriores nas legislativas do PSD e regredir uma tendência.
Peguei nas legislativas de 2002, 2005, 2009 e 2011 e obtive que o número de deputados é igual a

    Deputados = 282,44*Votação - 8,286

Agora, aplicando esta recta de regressão às votações, obtenho (com 95% de confiança):
 PSD+PP ===> de 98 a 105
 PS =======> de 82 a 89
 CDU =====> de 14 a 18
 BE =======> de  9 a 12

Vantagem do PSD+PP relativamente ao PS => de 10 a 21 deputados.

Relação entre a percentagem de votos e o número de deputados (PSD,PS,CDU,BE,CDS, 2011,2009,2005,2002)

Onde irá cair o PSD+PP na Escala do Poucochinho?
O PSD+PP vai cair no grau 4, vai ficar com mais dois ou três deputados que o PS+BE+Pequenos e menos um ou dois deputados que o PS+CDU.

Vai ser uma grande vitória.
A minha previsão tem uma margem muito pequeno pelo que estou cheio de curiosidade para ver até que ponto vou acertar.
Naturalmente, as sondagens apresentadas, apresentado um "erro de amostragem" maior têm maior probabilidade de acertarem mas eu estou confiante nos meus números.

Vai ser uma grande vitória para o PSD+PP.
Desde a Manifestação do 2 de Março de 2013 que davam o Passos Coelho e o Portas como derrotados, diria mesmo, politicamente mortos e, passados apenas 2 anos e meio, ganham as eleições.
Alguém se lembra do discurso do Seguro na noite das Europeias?

«O atual governo chegou ao fim,  (...)  já não corresponde à vontade dos portugueses (...) Cabe em primeiro lugar ao Presidente da República, ao primeiro-ministro e ao vice-primeiro-ministro tirarem as ilações políticas desta eleição. (...) Se depender de nós, haverá naturalmente eleições antecipadas»
(Tó Zé Seguro, 25 de Maio 2014).

Pelos vistos, chegou ao fim mas vai ser reconduzido.

Vai ser uma grande vitória para o PS.
Para o PS do Seguro, será uma vitória à escala da derrota do Golias pelo frágil David mas também o Costa se está a preparar para declara vitória usando exactamente as mesmas palavras do Seguro na noite das europeias.
"Nunca a Direita junta teve tão poucos votos."

Vai ser uma grande vitória para a CDU.
Tem 50% de probabilidade de aumentar o número de deputados e vai inflingir uma pesada derrota à direita repetindo as palavras do Seguro "Nunca a Direita junta teve tão poucos votos".

Vai ser uma grande vitória para o BE.
Vai aumentar o número de deputados (na ordem de 3) e vai ajudar à derrota da direita repetindo também a palavra de ordem de que "Nunca a Direita junta teve tão poucos votos".

Mas haverá derrotados?
Haverá alguns derrotados.

O primeiro será Marinho e Pinto.
Cometeu um grande erro ao pensar que, armado da sua voz de destruição massiva, iria multiplicar o resultado que teve enquanto cabeça de cartaz do MPT.
Sendo uma pessoa inteligente, deveria pensar que isto já aconteceu àquele da Madeira.

O segundo serão os Livre / Agir / Tempo de avançar.
Se elegerem um deputadozito, poderão cantar um bocadinho de vitória mas, não elegendo ninguém (que é o mais provável), vão ter que meter a derrota ao Seguro ("Ajudamos a derrotar a Direita que, junta, nunca teve tão poucos votos")


O Agir perde porque a fotografia da Joana Amaral Dias é uma contrafacção (da Mariah Carey e do Kapinha)

O terceiro será aquele aposentado que já nem me lembro o nome.
Um velhinho que andava, tipo nódoa difícil ou emplastro, atrás do António Costa a dizer que era candidato a Presidente da República. 
Já nem me lembro do nome.
Como apareceu, como desapareceu.

O quarto, quinto, sexto, ... derrotados
É o Rui Rio, o Marcelo, a Ferreira Leite, o Pacheco Pereira, o Capucho, o Alberto João, e todos os que no PSD apostaram que o Passos Coelho iria cair com estrondo.
Anda agora o Rio, com uma cara de derrotado, e o Marcelo como um velhinho choné e sem tino a fazer campanha pelo PàF! 
Já é tarde.
Ao que desce a dignidade humana à procura do tacho de Presidente da República.


Ninguém diria
Quando, em Março de 2013, o desemprego estava a tocar nos 18%, com a manifestação "Que se lixe a Troika" a encher as ruas, o Cavaco Silva a falar da "Espiral Recessiva" a que o governo estava a conduzir o pais, o Gasparzinho e o Porta se foram abaixo das canetas, os ataques de dentro do PSD a começar no Rui Rio, passando pelo Capucho e pelo Alberto João Jardim e continuando na Ferreira Leite, parecia que estava tudo perdido.
Quando, no dia 25 de Maio de 2014 o PSD+PP teve 27,71% dos votos nas eleições Europeias, já ninguém dava nada pela coligação.
No entanto, passados 30 meses sobre o 2 de Março de 2013 e 16 meses sobre o 25 de Maio de 2014, a coligação PSD+PP está em posição muito confortável para arrancar uma vitória eleitoral!

"Não me demito, não abandono o meu país"
Foi neste momento, quando parecia que tudo se estava a desmoronar, o Passos Coelho agarrou-se ao leme e aguentou o barco.

TrimestreCrescimento       Desemprego
1T 2011-0,1%12,2%
2T 2011-0,7%12,5%
3T 2011-1,4%12,8%
4T 2011-2,8%14,0%
1T 2012-2,4%14,7%
2T 2012-3,2%15,4%
3T 2012-3,6%16,2%
4T 2012-3,8%17,0%
1T 2013-4,0%17,4%
No 1.º trimestre de 2013, a economia estava a afundar e o desemprego a explodir (dados, INE)

Quatro pessoas têm que ser lembradas na noite da vitória.
O Miguel Relvas, o Vítor Gaspar e o Álvaro Santos Pereira que foram o bombo da festa.
Seria de grande justiça o Passos Coelho falar deles no discurso da vitória do próximo dia 4 de Outubro.
E também o Tó Zé Seguro que ajudou a tornar visíveis as fragilidades de carácter, políticas e de conteúdo do António Costa.

- Anda cá Camarada Costa, não estejas envergonhado, encosta aqui ao meu ombrinho e chora. 
- Oh pá correu mal, não percebo o que aconteceu, devem-me ter roubado votos ... Eu sou tão bom, governei tão bem a Câmara de Lisboa ...
- Eu bem te avisei que ganhar ao Passos e ao Portas mesmo que por poucochinho já era uma grande vitória mas não quiseste acreditar! Pensavas que eras o D. Sebastião... Agora choras mas, aguenta, que já é tarde.

p.s. - Os resultados finais foram
PàF --> 107 deputados (2 acima do intervalo de previsão)
PS --> 86 deputados (dentro do intervalo de previsão)
CDU --> 17 deputados (dentro do intervalo de previsão)
BE --> 19 deputados (7 acima do intervalo de previsão)

1 comentários:

Jmarvao disse...

Fabuloso! Obrigado.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code