quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Em 2007 o BES já estava falido, e o BCP?

O Observador disse que o Paulo disse que, em 2007, o BES estava falido (ver).

Isto faz-me lembrar o que o povo diz quando uma pessoa querida morre de cancro galopante "O médico disse que o cancro já lá estava há mais de 10 anos."
Se calhar, até eu já tenho o cancro a roer mas, vir um médico descobri-lo daqui a 10 anos, já quando estiver morto, não me parece que seja de grande ajuda. 
Com o Paulo Azevedo passa-se o mesmo, saber que o BES já estava falido na véspera das Crise do Sub-Prime, não me parece de grande visão pois hoje já todos sabemos isso e muito mais. Digamos que é Testemunha do Senhor Jeová das empresas concorrentes (que estão sempre a ver sinais de que o Mundo está mesmo para começar a acabar, tal como diz o Sagrado Livro do Apocalipse).

A economia e a liquidez.
A economia de uma empresa soma todos os activos e subtrai-lhe todos os passivos. Se der negativo, a empresa está falida, com uma situação líquida negativa.
Mas a empresa funciona perfeitamente enquanto tiver liquidez, enquanto em cada dia o dinheiro que entra em caixa for superior ao que sai. Quando o dinheiro em caixa chega a zero, a empresa entra em rotura de liquidez.
Se houvesse informação perfeita sobre a economia de uma empresa, quando esta está falida, imediatamente, entraria em rotura de liquidez. O problema é que existem formas de esconder a falência, o que se torna mais fácil nos bancos que recebem dinheiro das pessoas e que, depois, dizem que o têm aplicado de forma segura.

Mas não é disso que eu vou falar mas antes do BCP.
Vou-me colocar na abertura do mercado do primeiro dia de 2008. 
Nesse dia 2/1/2008, o cotação abriu a 2,93€ o que, multiplicado pelas 3588 milhões de acções, deu uma capitalização bolsista de 10500 milhões €.
O BCP valia em bolsa 10500M€ o que, tendo o mercado toda a informação, traduzia que em termos económicos, subtraindo o passivo ao activo, o BCP valia 10500M€.

Depois houve aumentos de capital.
Em Abr-2008, um aumento de 1299,9 M€
Em Mai-2011, um aumento de   990,1 M€
Em  Jun-2011, um aumento de   259,9 M€
Em Out-2012, um aumento de   500,0  M€
Em Jul-2014, um aumento de   2241,7 M€
Finalmente (parece que não é ainda finalmente),
Em  Jun-2015, um aumento de  387,5 M€

Somando os aumentos de capital, entre 1/1/2008 e hoje, dá um reforço de 5679M€, os accionistas meteram 4581 M€ e os investidores de obrigações subordinadas, mais 1098 M€.
Como, no entretanto, o BCP não aprece ter feito nada que destruísse valor, hoje o BCP deveria valer:
     10500+5680 = 16180M€


Qual era o valor do BCP em 1/1/2008?
O problema é que hoje não vale nada parecido com 16180M€.
Quem comprou uma acção na abertura do mercado em 2/1/2008 por 2,93€ e acompanhou os aumentos de capitais, meteu 1,27€, do total de 3,02€ que investiu, tem hoje 12,22 acções que valem 0,22€, uma perda de 94,7%.
Supondo alguém rico porque no dia 1/1/2008 tinha 1 Milhão € em acções do BCP e que foi aos aumentos de capital pedindo crédito, vendendo hoje tudo o que tem, fica com dívidas no valor 358 mil €. 
Então, subtraindo ao valor de hoje, 1070M€, os aumentos de capital, 5679M€, o valor líquido do BCP no princípio de 2008 era negativo em 4610M€:
 1070M€ - 5679M€ = - 4610M€
Uma situação líquida bastante inferior à do BPN (-3200M€) e do BES (talvez -3000M€, valor a apurar)

Os administradores estão lá para defender os interesses dos accionistas.
O BCP não estava em 2008 melhor que o BPP, o BPN, o BES, a PT e a OI sendo que a única diferença foi que as administrações não pensaram no melhor dos interesses dos seus accionistas.
Se a administração do BCP olhasse para os accionistas, nunca teria avançado com aumentos de capital e em 2008 teria pura e simplesmente declarado falência.
Pelo contrário e de forma criminosa relativamente aos accionistas, convenceram-nos com informação falsa de que a situação do BCP era positiva e recuperável.

O fim do sigilo bancário.
O que faz isto é termos no governo pessoas ignorantes e estúpidas que não têm a humildade de perguntar porque raio existe sigilo bancário.
É que, acabando o sigilo bancário, as pessoas passam a fazer pagamentos em dinheiro e a guardar o dinheiro em casa e em sistemas bancários paralelos o que aumenta os custos de transacção e o perigo para as pessoas.
Haverá empregados bancários que vão convencer as pessoas a criar contas paralelas, em que o dinheiro fica guardado no cofre do banco mas sem registo.  Talvez muitas destas pessoas guardem o dinheiro mas haverá mais e mais casos de burlas.
Também passará a haver transportadores de dinheiro para fazer pagamentos à distância.
O Fisco não vai conseguir meter a mão a ninguém e a nossa vida vai-se transformar num inferno com a vizinhança toda a saber que transfiro todos os meses 250€ para a menina da cabeleiraria.

É esta! Se as das finanças dizem ao marido que a tenho por minha conta, ele mata-me.

 E o pior é que o filhinho é mais parecido comigo que com o pai!

0 comentários:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code