sexta-feira, 19 de julho de 2024

A imigração e problemas conexos têm solução mas temos de abandonar o esquerdismo

Compreender a imigração é aceitar que todos os anos, há 30 milhões de pessoas que tiveram a sorte de nascer num país pobre.

Esta frase pode não parecer fazer sentido, como pode alguém que nasceu num país pobre ter sido bafejado pela sorte?

É que nos países onde vivem os 25% da população mundial mais pobre, em média, cada mulher tem 4.2 filhos e nos países onde vivem os 25% da população mundial mais rica, em média, cada mulher tem 1.6 filhos.

Então, só posso concluir que, por cada mulher que vive num dos países mais pobres, há 2.6 almas que tiveram a sorte de vir ao mundo apenas e tão só porque a sua mãe vivia num país pobre. Multiplicando pela população, anualmente há 30 milhões de crianças que nascem e sobrevivem nos países pobres mas que nunca nasceriam nos país rico.

Fig.1 - Em Portugal, estas crianças nunca teriam tido a sorte de ver a luz do dia.

Pegando nos dados disponíveis no Banco Mundial e calculando a elasticidade pelo MMQ, em média, o aumento em 10% no PIB pc medido em paridade do poder de compra a preços constantes de 2021 está associado a uma diminuição de  4% na fertilidade (número de filhos por mulher).

Fig. 2 - Relação entre o número médio de filhos por mulher e o PIB pc PPC (WB, 2018-2022)


Lei de Graham: A velocidade de difusão de um gás é inversamente proporcional à raiz quadrada da densidade.

Nos países mais ricos há um défice de 7 milhões de pessoas por ano e nos países pobres há um excesso de 30 milhões de pessoas por ano.

Naturalmente, tal como a água tende a descer da montanha para o mar, o aumento da densidade populacional dos países mais pobres tende a fluir para tapar a diminuição da densidade populacional dos países mais ricos.

Na difusão dos gases, a diferença de temperatura acelera a difusão dos átomos da parte mais quente para a parte mais frias o que pode ser entendido como o inverso do PIB per capita.

Penso que consegui dar uma ideia do porquê, de repente, a imigração para os países mais ricos ter explodido.


O esquerdismo é uma forma encapotada de proibir a entrada aos imigrantes.
Se um trabalhador no Afeganistão com um bom salário recebe 50€/mês é porque não produz menos do que 50€/mês. 
Naturalmente, esse trabalhador, sem saber falar português, sem escolaridade, sem qualquer experiência profissional, não tem capacidade para chegar cá e passar imediatamente a produzir os 1015€/mês necessários para poder receber o SMN (é o valor do SMN com as contribuições para a SS).
Como não produz 1015€/mês, o esquerdismo proíbe-o de trabalhar e, consequentemente, de ter rendimento para pagar o alojamento e a alimentação.
Fica na rua, a mendigar por comida, a defecar em qualquer lugar e, em caso de necessidade, tem mesmo de roubar para comer. 

Reparem o caso do Porto.
quando era novo ia a um edifício na Avenida de França pedir o adiamento da incorporação. É um edifício de 7 pisos, com mais de 4000 m2 de área coberta, localizado na zona mais cara da cidade do Porto.
Foi abandonado pelos militares e, nos últimos meses, usado por imigrantes sem abrigo que não conseguem trabalho.
Naturalmente, o edifício está sem água o que faz com que as casas de banho não funcionem e os imigrantes tenham de defecar na rua.
Pensei eu "A Câmara vai reparar algumas casas de banho e ligar a água, é uma despesa pequena" mas enganei-me completamente, vedou o edifício.

Pensa o Rui Moreira que vão deixar de cagar e mijar só porque vedou o prédio?
Só se metesse uma rolha no cú e um elástico na piroca das pessoas.
Não têm as pessoas direito no mínimo a água?
Cada metro cúbico de água fica à Câmara do Porto por menos de 0,50€ e dava para 30 pessoas beberem, tomarem banho, lavarem a roupa e ainda mandar os cagalhotos dali para fora.
Será que só eu é que vejo que expulsar os sem abrigo de um lado apenas os vai empurrar para outro lado qualquer?
Só eu é que vejo que fechar casas de banho apenas faz com que as pessoas abram o esgoto na rua?


Fig.3 - Se um restaurante no Afeganistão é assim, porque razão aqui são visitados pela ASAE?



Primeira medida = A lei aplicada é a do país de origem do imigrante.
Não há cá isso de inspecção do trabalho, nem essas merdas todas que só servem para garantir que os imigrantes não consigam arranjar emprego.
Se alguém negoceia com um afegão um salário de 300€/mês, muito mais que os 50€/mês imposto no seu país, os portugueses não têm nada com isso.
Também ficam a morar de acordo com o seu país de origem. Se no Afeganistão vivem 20 amontoados numa barracas sem água nem electricidade, em Portugal também podem viver 20 numa cave qualquer, muito melhor porque têm com água e electricidade.


Segunda medida = A autorização de residência é passada pelo empregador.
Assim que alguém emprega um imigrante ilegal, regista esse trabalhador na SS com o salário que negociaram e acharam conveniente, e imediatamente, o documento serve como autorização de residência.
Sem burocracias, sem exames de língua nem filas intermináveis na ex-SEF (que nem sei como se chama mas é qualquer coisa como AI MAMA AQUI A VER SE EU DEIXO.
Por causa dos nossos parceiros europeus, a autorização de residência passada pelo empregador não serve para circular no Espaço Schengen. 


Terceira medida = O imigrante só pode permanecer um máximo de 5 anos em Portugal.
O imigrante não pode perder a sua ligação ao país de origem, o contrário (a que chamam integração) é a destruição da sua cultura, um verdadeiro genocídio cultural.
Decorridos os 5 anos, o imigrante tem de retornar ao seu país de origem pelo período mínimo de um ano.

Quarta medida = A expulsão passa a ser administrativa.
Da mesma forma que existem meio a tentar evitar que as pessoas entram sem haver necessidade de recorrer aos entupidos tribunais (estão tão entupidos como as casas de banho do referido edifício da Av. de França), um imigrante que roube uma carteira, ataque uma velhinha ou cause problemas aos vizinhos para lá do razoável, é metido num avião e retornado a casa, sem possibilidade de cá voltar tão cedo. 
Não é isso que fazem os americanos aos açorianos apanhados com droga?
Qualquer imigrante condenado a pena de prisão, em vez de ir para a cadeia (onde nos custa 60€/dia), é imediatamente expulso do país, sem cá mais poder voltar.


Fig. 4 - Será melhor viver em Portugal numa cave ou no Nepal nesta moradia?

Na economia não há lugar a julgamentos morais.
A economia trata da produção e da distribuição dos recursos escassos pelas pessoas e a lei mais forte é o corolário do Equilíbrio de Pareto: quando duas pessoas realizam uma transacção é porque ficam melhor do que se não a realizassem.
Não nos compete a nós, esquerdistas, julgar as relações entre as pessoas pois só elas sabem o que é melhor para as suas vidas.

Interessante que esta discussão foi resolvida em 1920.

Vendo a destruição económica que estava a acontecer, o van Mises e escreveu um livro que costumava aconselhar aos meus alunos, 
Pena que os esquerdistas não leiam este livro que já tem mais de 100 anos mas que se mantém actual por haver tanta gente que ainda se deixa encantar pelas cobras.


quarta-feira, 3 de julho de 2024

Será que o Trump vai ganhar pela terceira vez?

O título é um bocadinho provocador!

Já ninguém se deve lembrar mas em 2020, o Donald Trump ganhou as eleições em urna mas, depois, perdeu nos votos por correspondência. 

Nunca antes tinha havido votação por correspondência para o presidente dos USA e penso, tenho a certeza, que o Donald Trump teria sido reconduzido na presidência se a votação fosse só em urna.

Mas isso já lá vai mas, no entretanto, aconteceu o que também nunca tinha acontecido na historia dos USA: o candidato derrotado manteve-se no combate de oposição e, decorridos 4 anos, voltou a candidatar-se.


O que dizem as sondagens?

Pegando nas sondagens do site https://projects.fivethirtyeight.com/polls/president-general/2024/, feiras entre o dia 28 de Junho e 1 de Julho, o Trump tem 44.9% e o Biden tem 41.3% de intenções de voto. Pensando que haverá apenas estes dois candidatos, a diferença será:

TRUMP 52.1% || 47.9% BIDEN


Mas nos USA a eleição é por estados.

Neste caso, as sondagens indicam resultados muito mais favoráveis para o Trump.

Nos estados que com vantagem de 2% ou mais para um dos candidatos:

Colégio eleitoral:    TRUMP 274 || 164 BIDEN

Vantagem relativa: TRUMP 62.4% || 37.4% BIDEN


Os juízes estão a perder força contra o Trump.

Não tenho qualquer dúvida, assim como a maioria dos americanos, que o Trump foi vítima de perseguição judicial.

Agora, que todos estão convencidos que o Trump ser eleito presidente daqui a 4 meses, os juízes não querem ficar do lado errado da história.

Assim que o Trump entrar, vai decretar um indulto a todos os implicados e perseguidos pela invasão do Capitólio.


E como vai ficar a Ucrânia?

Penso que a eleição do Trump vai ser favorável à Ucrânia.

Vai começar por dizer ao Putin e ao Zelensky "A guerra acabou" e o primeiro a quebrar as tréguas, vai sofrer graves consequências.

E quem tem animo invasivo é foi a Rússia, pelo que, não obedecendo imediatamente, o Putin vai levar com todo o "espírito imperialista" do Trump.

A invasão da Ucrânia vai acabar em 24 h.





quarta-feira, 26 de junho de 2024

Uma reflexão sobre a situação constitucional na Guiné-Bissau.

Pelo que sei, o Presidente da República da Guiné-Bissau dissolveu a ANP.

A democracia na Guiné-Bissau não é "perfeita", todos nos lembramos do tempo do Nino Vieira e dos "acidentes constitucionais" que tem sofrido ao longo das décadas. A razão (ou a desculpa) é que a democracia "perfeita" fica cara e a Guiné-Bissau não tem recursos físicos nem humanos (formação dos eleitores) para sustentar a democracia como todos queriam que fosse.

Em 2024, e é esse o ponto da actual discussão, vivemos um período de "acidente constitucional" que se iniciou pela dissolução pelo Presidente Umaro Sissoco Embaló, no dia 4 de Dezembro de 2023, da Assembleia Nacional Popular, alegadamente, de forma contrária à Lei Constitucional.

Nesta discussão, o decreto do Presidente tem o "voto a favor" do Professor Jorge Bacelar Gouveia e contra do Professor Jorge de Miranda.

Vejamos quem tem razão e se isso é, hoje, relevante.


Platão identifica como deve ser o Estado Ideal.

No Estado Ideal, o governo tem de procurar a justiça e o bem. Como o povo não pode governar porque está preocupado com coisas menores (comer, beber e ser feliz), tem de haver um governo de pessoas sábias que consiga ponderar os diversos interesses individuais no sentido de se viver em justiça e bem comum. Platão não é literalmente contra a democracia apenas que, nesse tempo, o conceito de democracia  (poder do povo) estava próximo do conceito actual de anarquia (sem governo).


Então, temos de perguntar: 

Estará o Presidente Embaló a proteger os seus interesses pessoais e de pessoas da sua proximidade ou está a defender o bem comum e a justiça?

Claro que podemos dizer que um homem só não é capaz de defender a justiça e o bem mas também se o Presidente fosse um homem só, não teria como fazer valer os seus decretos (tem o apoio dos militares).

Se está a defender a justiça e o bem comum, está perdoado.


Fig.1 - O importante é continuar a alegria


Fui ler a Constituição da Guiné-Bissau, CRGB.

Por um lado, a CRGB dá no par. 9.º-1-a ao Presidente da República o poder de dissolver a ANP mas, por outro lado, esse poder apenas existe decorridos 12 meses desde a eleição (par. 94.º-1 da CRGB).

Sendo assim, uma primeira leitura levaria a concluir que o Decreto Presidencial é inconstitucional mas essa conclusão seria errada.

É que a dissolução em si não é inconstitucional pois funda-se no par. 9.º-1-a da CRGB, o que é inconstitucional é a interpretação de que o parágrafo "Com efeitos imediatos" implica a dissolução da ANP no dia 4 de Dezembro de 2023.

Como o Presidente não tinha esse poder em 4 de Dezembro de 2023, de acordo com a CRGB, a dissolução só teve efeito no dia  4 de Junho de 2024, isto é, decorridos 12 meses da sua eleição.


E o 4 de Junho já passou!

Se já passou, deixou de ser relevante porque a regularidade constitucional foi automaticamente reposta pelo decorrer do tempo.

Claro que, entre 4 de Dezembro de 2023 e 4 de Junho de 2024, "alguém" impediu fisicamente os deputados de se reunirem na Assembleia, impedimento contrário à Lei, mas "ninguém" reclamou desse impedimento físico (foi o que alegou o Professor Bacelar de Gouveia).

Não foi por razão da Lei, foi por razão da força (militar) que a ANP esteve sem reunir durante esses 7 meses. 

Nesses 7 meses deveria funcionar a Comissão Permanente, não sei se funcionou (ou, como dizem os legalistas, "Podendo funcionar, se quis funcionar.")


O que se passou então?

O Decreto Presidencial respeita integralmente a constituição mas só tem efeito no dia 4 de Junho de 2024. No entretanto, digamos que a Guiné-Bissau viveu 7 meses de "regime constitucional-militar".


Como diz o Professor Marcelo Rebelo de Sousa.

Foi ilegal proibir os deputados de reunir durante esses 7 meses mas, tendo acontecido, não aconteceu nada.

É proibido mas, como já passou o tempo, não acontece nada.

Agora, é necessário marcar eleições e isso é poder do Presidente.


A Guiné-Bissau é muito pobrezinha.

O nível de vida na Guiné Bissau (medido pelo PIB per capita em paridade de poder de compra) é apenas 5.3% do português. Digamos que, se um português vive com 1000€/mês, um guineense tem de viver com 53€/mês.

Mais grave ainda é que o nível de vida está há mais de 50 anos estagnado.

Casa onde não há pão, todos ralham mas ninguém tem razão.


Em cada 100 crianças que nascem na Guiné Bissau, 7.2 morrem antes dos 5 anos.

Lembram-se que o SNS gastou mais de 4 milhões de euros por um tratamento a duas irmãs gémeas brasileiras?

Em 2022, na Guiné Bissau nasceram 64453 crianças e morreram 4634 com menos de 5 anos. Por comparação, em Portugal nasceram 83277 e morreram 266.

Quantos milhares de crianças da Guiné Bissau seriam salvas com esses 4 milhões de euros?

O problema é que nenhuma desses crianças conhece o "Dr. Nuno", o filho do presidente da república português.

Fig. 2 - Comparação do PIB per capita da Guiné Bissau, Sudão e Etiópia (dados, Banco Mundial)


É a cultura da cunha que vamos exportar para a Europa.

O António Costa, o maioral da cunha, da influência e da mentira, vai para um alto cargo europeu.

Já ninguém tem vergonha.

E depois do que esse António fez ao Pedro Passos Coelho que está na miséria.

Portugal está podre.

terça-feira, 18 de junho de 2024

As escutas de António Costa no caso TAP revelam vários crimes

No dia 5 de Março de 2023 o primeiro ministro António Costa pediu o despedimento da CEO da TAP.

A senhora foi contratada pelo Estado Português, tinha um contrato de trabalho legal pelo que o Estado  Português tinha de cumprir o contrato. Se o Estado não a queria mais como CEO da TAP, o Estado tinha de lhe pagar os ordenados e tudo a que tinha direito pelo contrato.


É o Estado e não o António Costa.

Não é o António Costa como pessoa mas enquanto Estado Português que está em jogo.

O António Costa enquanto primeiro ministro estava obrigado prosseguir o interesse público e até poderia pensar que era do interesse público mandar a CEO da TAP embora mas teria que actuar sempre em obediência à lei.

Vejamos o que diz a Constituição da República Portuguesa e o Código do Procedimento Administrativo.

Artigo 2.º CRP - A República Portuguesa é um Estado de direito democrático.

Artigo 266.º, 1 CRP - A Administração Pública visa a prossecução do interesse público, no respeito pelos direitos e interesses legalmente protegidos dos cidadãos.

Artigo 266.º, 2 CRP - Os órgãos e agentes administrativos estão subordinados à Constituição e à lei e devem actuar, no exercício das suas funções, com respeito pelos princípios da igualdade, da proporcionalidade, da justiça, da imparcialidade e da boa-fé.

Artigo 3.º, 1 CPA - Os órgãos da Administração Pública devem atuar em obediência à lei e ao direito, dentro dos limites dos poderes que lhes forem conferidos e em conformidade com os respetivos fins.


O António Costa construiu uma mentira.

Queria mandar a senhora embora por uma razão qualquer e inventou um processo disciplinar na qual concluiu à moda do Salazar que a senhora era incompetente e que tinha cometido várias ilegalidades.

Sim, era assim que fazia o Salazar. Ninguém era perseguido e metido na cadeia por ser da oposição, logo arranjava um crime qualquer para dar cabo da pessoa.

O Salazar fazia e a administração pública, onde se incluem ministros, continuam a fazer o mesmo.

Eu mesmo fui vítima disso, não gostam de mim e inventam que sou o diabo em pessoa e espalham isso pelos corruptos da comunicação social.


Não é política, é crime puro e duro.

Não há qualquer dúvida que o António Costa, o Galamba e o Medina mentiram nas razões do despedimento, isto é uma violação do princípio da Boa-Fé o que traduz um crime de fabrico de documento falso:

Artigo 256.º, 1 CP - Quem, com intenção de causar prejuízo a outra pessoa ou ao Estado, de obter para si ou para outra pessoa benefício ilegítimo, ou de preparar, facilitar, executar ou encobrir outro crime:

a) Fabricar ou elaborar documento falso, ou qualquer dos componentes destinados a corporizá-lo;

d) Fizer constar falsamente de documento ou de qualquer dos seus componentes facto juridicamente relevante;

A decisão do processo disciplinar é um documento falso porque estão lá escritas coisas que são falsas e o António Costa sabia que eram falsas.


Também não há qualquer dúvida que o António Costa, o Galamba e o Medina desviaram-se da Lei para prejudicar a senhora CEO da TAP cometendo o crime de denegação de justiça e prevaricação.

Artigo 369.º, 1 CP - O funcionário que, no âmbito de inquérito processual, processo jurisdicional, por contra-ordenação ou disciplinar, conscientemente e contra direito, promover ou não promover, conduzir, decidir ou não decidir, ou praticar acto no exercício de poderes decorrentes do cargo que exerce, é punido com pena de prisão até dois anos ou com pena de multa até 120 dias.

Artigo 369.º, 2 CP - Se o facto for praticado com intenção de prejudicar ou beneficiar alguém, o funcionário é punido com pena de prisão até cinco anos.


Em Portugal temos um pensamento corrupto.

Pensamos que o presidente da república meter uma cunha para meter umas crianças num hospital não tem importância nenhuma.

"Não recebi nenhum documento formal" faz-me lembrar uma história do Salazar que vou relatar:

Uma senhora viu o seu filho deportado para a Longínqua Timor e, sendo temente a Deus e cumpridora dos seus mandamentos, falou com o padre da terra que falou com o bispo que falou com outro bispo que colocou a questão ao Salazar. A resposta do Salazar foi:

"Mandei investigar o caso e não existe nenhum documento formal a mandá-lo para a Longínqua Timor. Se houvesse um documento formal, escrevia «anulado» mas não havendo, não posso fazer nada, vai ter de continuar lá." 


Tenho muita pena destas crianças nepalesas.


Será que Portugal tem a obrigação de salvar todas as crianças em sofrimento por esse mundo fora?

É muito lindo dizer que se salvaram duas crianças mas, se olharmos para as crianças que morrem nas nossas "ex-colónias", estamos a falar de mais de 575 crianças por dia.

Antes de me chamarem racista, xenófobo, misógino, machista e fascista vou apenas colocar uma simples questão. Será que temos a obrigação de salvar as 575 crianças que morrem todos os dias por causas evitáveis nas ex-colónias portuguesas?

Porquê apenas estas duas? Porque não sei quem era amiga da mulher do "Dr. Nuno, meu filho" e que meteu uma cunha no "Presidente Marcelo, meu pai"?

Crianças com menos de 5 anos que morrem nas ex-colónias portuguesas 

Eu não acho isso bem.

Quando trabalhamos em Portugal, pagamos impostos e descontamos TSU estamos a pagar um seguro de saúde ao SNS. Os pais dessas crianças nunca descontaram para o nosso SNS pelo que nunca as suas filhas deveriam ter tido a cunha do "presidente da república Marcelo, meu pai".

Seria como uma companhia de seguros pagar indemnizações por morte a duas pessoas porque o filho do presidente meteu uma cunha e o presidente teve pena daquelas duas viúvas.

E as outras todas, ninguém tem pena?

Ou comem todos ou há moralidade.

Com 4 milhões de euros, salvávamos da morte 4 mil crianças nepaleses.


quinta-feira, 6 de junho de 2024

Com a 8.a sondagem, o Chega parece estar com pouca força.

Não vou dizer muito sobre os dados. 

Vou só avançar com o que é mais provável de acontecer.

A AD com 7 deputados, como em 2019.

O PS com 8 deputados, menos um do que em 2019.

O Chega ganha 3 deputados e a IL e o Livre ganham 1 deputado.

CDU deve ficar sem nenhum. Coitadinho do Putin, é mais do que certo que a Rússia vai perder dois grandes amigos que tem no Parlamento Europeu (ver).

Resultados previstos por mim para as Europeias 2024 com base nas 8 sondagens publicadas



segunda-feira, 3 de junho de 2024

Sétima Sondagem, tudo na mesma com PS-AD-Chega no pódio

Com 7 sondagens e 5942 respostas válidas, o pódio mantém-se.

Não tem havido alterações nas intenções de voto dos eleitores o que se compreende dado que nada de grave tem acontecido. 

O mais provável é que tenhamos no pódio o PS com 8 deputados (perde um deputado), a AD com 7 deputados e o Chega nos 3/4 deputados (tudo ganho).

Depois, há uma diferença grande para o BE (perde um deputado), a IL e o Livre com um deputado (ganho) e, no fim da tabela, a CDU (perde dois deputados) e o PAN (perde um deputado) sem nada, zero, bola, batata. 

Agora, é só esperar pelo dia das eleições para avaliar estas previsões baseadas nas últimas sondagens.



sexta-feira, 31 de maio de 2024

50% da população mundial vive na China, Índia ou África Sub-Sariana

Em 1960 a África Sub-Sariana era muito mais rica do que a Índia e a China.

Eram todos pobres mas enquanto a África Sub-Sariana estava com 30%, a Índia estava com 8.5% e a China com 6.6%  da média mundial.

Sim, nas décadas de 1960 e de 1970, dezenas de milhões de pessoas morreram de fome na Índia e na China, muito mais do que em África.

Mas, sem explicação, exactamente depois da Crise-Petrolífera de 1973, o nível de vida na China começou a crescer muito rapidamente (+8.1%/ano) e foi acompanhada, apesar de mais moderadamente, pela Índia (+3.9%/ano).

Estranhamente, o nível de vida na África Sub-Sariana é hoje exactamente o mesmo que era em meados da década de 1970.

Fig. 1 - Evolução do PIB per capita da China, Índia e África Sub-Sariana (Dados, Banco Mundial)


A África Sub-Sariana foi a região que mais recebeu ajuda externas.

Na década de 1960, o Mao matou tudo o que mexia, destruiu tudo o que pode.  Seja porque era comunista isolacionista contra o Ocidente, seja por estar em conflito com Taiwan, não quis nem recebeu ajudas de ninguém. No entanto,  depois do Mao morrer (paz à sua alma), mesmo com tudo destruído, o nível de vida na China começou a crescer rapidamente, já tendo ultrapassado a média mundial.


Termino este poste com uma pergunta para a qual não sei a resposta.

Porque será que o nível de vida na África Sub-Sariana está estagnado há mais de 60 anos enquanto que na Índia e na China aumentou muito significativamente?

Será por causa dos fascistas, racistas, xenófobos, machistas e misóginos ocidentais?

Seria bom que os professores doutores catedráticos sábios em economia do PSD que garantem ter a receita para fazer aumentar o crescimento económico português que enviassem essa sua receita milagrosa para a África Sub-Sariana!

Tenho a certeza absoluta que, se tiverem uma receita faz as economias crescer, vão ganhar o Prémio Nobel da Economia.

Mas também tenho a certeza absoluta que essa receita não existe, muito menos na mente desses sábios.


Fig.2 - Acreditando nas previsões dos nossos governos, o nosso TGV será assim, resmas, bilhões de passageiros a caminho do aeroporto de Alcochete (interessante só se verem homens).


sexta-feira, 24 de maio de 2024

Quinta sondagem Europeias 2024

 Com a quinta sondagem, o PS aproxima-se um bocadinho da AD e o CHEGA consolida os 3 eurodeputados.

O BE reduz-se a 1 eurodeputado, a CDU e o PAN parecem cada vez mais condenados a sair do Parlamento Europeu.

Fig. 1 - Previsão para as Europeias 2024 com base em 5 sondagens (4140 respostas válidas)


Saiu também uma sondagem do ISCTE mas referente a 8 de Maio.

Incluindo esta sondagem, o CHEGA aproxima-se novamente dos 4 eurodeputados à custa do LIVRE.


Fig. 2 - Previsão para as Europeias 2024 com base em 6 sondagens (5141 respostas válidas)



quinta-feira, 23 de maio de 2024

Serão as estatísticas económicas sobre os países racistas e xenófobas?

 "Os turcos não são propriamente conhecidos por ser o povo mais trabalhador do mundo"

Esta frase foi proferida pelo André Ventura para apresentar a sua tese de que o "novo aeroporto de Lisboa" pode ser construído em menos de 10 anos (porque o de Istambul foi construindo em 5 anos).

A questão que coloco aqui é se já é proibido usar colectivos como turcos, portugueses, brasileiros, americanos, franceses, alentejanos, homens, mulheres, meninas, rapazes, altos, baixos, portistas, sportinguistas, ricos, pobres, remediados, nacionais, estrangeiros ou outra coisa qualquer onde caiam mais do que 3 pessoas sob a certeza de sermos apelidados de fascistas, racistas, xenófobos, misóginos, machistas e mais coisas.

Mas fascistas, racistas, xenófobos e machistas também são colectivos !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Sendo assim, não podemos dizer que "Os xenófobos tratam mal os estrangeiros" não só porque "xenófobo" é um colectivo mas, ainda mais forte, porque "estrangeiro" também é um colectivo. O máximo que podemos dizer é "O Manuel trata mal o Hibernam".

Fig. 1 - Qual será esta "cidade"? Será em Gaza?*


Vejamos um exemplo que passou na televisão.

Há uma aldeia em Castro Daire que se denomina por Colo do Pito. Um humoristas foi visitar esta aldeia e perguntou a um morador - "Como se chamam as pessoas que moram aqui?"

A pessoa, para evitar ser chamado de fascista, racista, xenófobo ou machista, começou por perguntar:

- O Sr. está-se a referir às pessoas do sexo masculino ou feminino?

- Não interessa, por exemplo, masculino.

- Há vários, aqui mesmo é o Manuel, depois o José, António, Carlos, .... e lá no fundo é o Inocêncio.

 

O problema é que existem estatísticas sobre os colectivos

O Banco Mundial e outras instituições recolhem e disponibilizam informação sobre os países. Em particular, disponibilizam estatísticas sobre quanto as pessoas, em média, trabalham em cada país.

O quanto as pessoas trabalham pode ser medido adoptando a visão marxista (número de horas por ano que cada pessoa está no emprego) ou pela visão económica (o valor económico que cada pessoa produz em cada ano).

O Banco Mundial disponibiliza informação sobre a visão económica ("GDP per person employed (constant 2015$)" e, realmente, olhando para esta lista, a Turquia não está onde os esquerdistas pensam, está no quadragésimo quarto lugar.

Se o Banco Mundial não é fascista, racista, xenófobo, machista nem misógino, o André Ventura pensou poder afirmar que "os Turcos não são propriamente conhecidos por serem o povo mais trabalhador do mundo" sem correr o risco de ser apelidado de fascista, racista, xenófobo, machista nem misógino.

Afinal estava enganado!!!!!!!!!!!!!

Fig. 2 - GDP per person employed (constant 2015$) dos 10 países "de cima", 5 países "de baixo", Turquia, Portugal e nossos dois vizinhos mais próximos (dados, Banco Mundial), valores relativos ao Luxemburgo.


E se o André Ventura tivesse dito "Os Luxemburgueses são conhecidos por serem o povo mais trabalhador do mundo"?

Também seria apelidado de fascista, racista, xenófobo, machista e misógino e de forma muito mais grave porque estava a afirmar que as pessoas dos outros países todos não eram conhecidas por serem as mais trabalhadores do mundo.


Voltamos ao tempo da Santa Inquisição.

Em que condenavam uma pessoa à fogueira se esta se benzesse duas vezes ("Está a tentar disfarçar que é judeu"), se se benzesse uma vez ("Está a tentar disfarçar que está a tentar disfarçar que é judeu") ou nenhuma vez ("É evidente que é judeu porque nem se benzeu").

A Santa Inquisição, a PIDE ou, actualmente, o wokismo exploram a mais baixo que existe na mente humana, a inveja, a vingança, o ressentimento, o domínio e a perseguição. E as instituições, em particular a Universidade do Porto, sendo formada por pessoas, está necessariamente contaminada, desde os alunos ao reitor, por estes sentimentos primitivos.


Os mentecaptos preocupam-se com gaza mas não se preocupam com a Síria.

Na Síria já mataram 600 mil pessoas e ainda não vi a ocupação de nenhuma universidade.

A Síria sempre foi pobre (PERIGO, estou a usar um colectivo) mas foi crescendo lentamente passando o nível de vida, o PIB per capita, de 525USD/ano em 1960 para 1552USD/ano em 2011 que compara, no mesmo ano, com os 34250USD/ano de Israel (22 vezes maior).

Desde então, houve uma destruição quase total da economia, com uma queda de 55% no nível de vida enquanto que o de Israel cresceu 25%.

Apesar do "colonizador sionista", em 2011 o nível de vida na Palestina  estava 85% acima do da Síria e em 2022, o nível de vida na Palestina estava mais de 5 vezes superior ao da Síria. 

Fig. 3 - Evolução do PIB per capita na Síria (dados, Banco Mundial)


Evolução do nível de vida dos portugueses em comparação com os americanos.

Em 1959 Portugal aderiu à EFTA (países europeus que não podiam ou não queriam aderir à CEE, actual UE). Nessa altura, o PIB per capita português era 20.6% do americano.
A EFTA permitiu o desenvolvimento do nível de vida pelo aparecimento da pequena industria textil, calçado e metalomecânica. 
Aquando do 25-de-abril-de-1974, o nosso nível de vida era 36% do americano e a convergência com o americano parou (sabe-se lá o porquê!!!! Não será por se falar mais em distribuição do que em produção?).
Actualmente, 2024, o nível de vida português mantém-se nos mesmos 36% de 1974, e a cair de um máximo de 39% de 1991, de forma mais notória depois do ano 2000 (Será por causa do EURO e da política administrativa de subir salários sem olhar à produtividade?).
Será racista e xenófobo dizer que os americanos têm aumentado o seu nível de vida em relação aos portugueses?
O que dizem os sábios do PSD?

Fig. 4 - Evolução do PIB per capita de Portugal em relação ao dos USA (dados, Banco Mundial)

*A imagem diz "Destruction in Zardana in northern Syrian Idlib province, after strikes by regime ally Russia" (ver), pelo Putin, grande pacifista e amigo dos esquerdistas.

quarta-feira, 22 de maio de 2024

Quarta sondagem Europeias 2024

Com 4 sondagens, 3175 respostas, o PS está à frente.

As sondagens contêm informação mas, como já expliquei em vários postes, é uma informação estatística, isto é, não permitem saber com toda a certeza quais vão ser os resultados mas, mesmo assim, permitem "encurralar" os potenciais resultados e, desta forma, diminuir a incerteza no resultado.

Com as 4 sondagens que saíram, primeiro é necessários saber se existe uma tendência. Com a informação existente não é possível responder a esta questão, melhor dizendo, não podemos dizer que existe uma tendência.

Posso então, juntar as 4 sondagens e fazer uma "mega sondagem" com 3175 respostas.

Na aplicação do Método de Monte Carlo vou assumir que a abstenção "vai ser" de 65%. 


Resultados.

Resultados antecipados para as Europeias 2024 compatíveis com as sondagens

O  mais provável é: 

A AD ter 7 deputados (mantém os de 2019);

O PS ter 8 deputados (perde 1);

O Chega ter 3 deputados (ganha 3);

O BE ter 1 deputados (perde 1);

A IL ter 1 deputados (ganha 1);

A CDU ter 0 deputados (ganha 2);

O Livre ter 1 deputado (ganha 1);

O PAN ter 0 deputados (perde 1).


Há a ressalva da abstenção.

Nas eleições europeias a abstenção está nas proximidades de 70% enquanto que uma percentagem muito maior responde na sondagem. Desta forma, a sondagem não consegue separar quem responde e que vai mesmo votar de quem responde mas não vai votar.

Na condição de haver uma percentagem maior de um partido, tradicionalmente a CDU, ir votar, esse partido vai ter um resultado um bocadinho superior do que o previsto com base nas sondagens.

Mas só faltam 15 dias para sabermos a verdade. 

segunda-feira, 20 de maio de 2024

Afinal, descer o IRC obriga a subir o IRS.

Governar um país é como governar uma casa, há as despesas, as receitas, o défice e o endividamento.

A diferença é que, no Estado, a receita são os impostos pagos pelos contribuintes seja IRS, IRC, IVA, ISP, IC, IMI, IMT, TSU, .............

As contas do Estado estão equilibradas apenas quando a despesa pública não é superior à receita pública, caso contrário, há deficit e aumento do endividamento público que vai ter de se pagar mais tarde (com os impostos pagos no futuro pelos contribuintes) e com juros.

Ao descer um imposto, whatever, tem de diminuir a despesa pública ou aumentar a receita de outro imposto qualquer, whatever.

Não pode ser de outra maneira, se metemos menos gasolina no depósito (a receita fiscal) temos de diminuir os quilómetros percorridos (a despesa pública).

Por exemplo, o António Costa quando entrou, para poder diminuir o IRS sem reduzir a despesa pública, teve de, em simultâneo, aumentou o ISP.

Penso que não é preciso ser sábio professor doutor catedrático em economia para compreender isto. Ninguém, incluindo o Estado, pode dar o que não recebe.


Vejamos um exemplo ilustrativo de como pensam os esquerdistas.

Uma companhia de aviação tem um avião Boing 777-300 capaz de transportar 500 passageiros entre Lisboa e Rio de Janeiro em 8h30m.

O avião carregadinho faz a viagem gastando 10 litros/km o que custa 6€/km (um total de 45000€ por viagem).


A companhia de aviação quer saber como pode aumentar o lucro.

Os esquerdistas dizem-lhe que "O avião tem de viajar mais devagar, se reduzir a velocidade em 10%, vai poupar 10% no combustível, uma poupança total de 4500€ por viagem".


Mas viajar mais devagar obriga a reduzir o preço do bilhete e a pagar mais horas à tripulação.

Os esquerdistas concentraram-se na poupança do combustível mas esqueceram-se do impacto nas outras variáveis do problema.

Se a velocidade diminuir 10%, a viagem passa a demorar mais uma hora o que faz com que os passageiros prefiram viajar noutras companhias. Para evitar a debandada, a companhia tem de reduzir o preço dos bilhetes. Se for obrigada a reduzir 10€/passageiro (que corresponde a uma redução de apenas 3.5% no preço do bilhete mais barato que encontrei), passa a ter um lucro menor.


O IRC aumenta o crescimento do PIB.

Mas, para reduzir o IRC é necessário aumentar o IRS!!!!!

Aumento no IVA para 24% e "canalizando" a receita adicional para a redução do IRC, tem um impacto muito muito pequenino no PIB, um total de 1,4% o que, considerando um período de 3 legislaturas, dá um mísero aumento de 0,1% no crescimento do PIB (0.1 pontos percentuais).

Impacto de reduzir o IRC e aumentar outro imposto para compensar a perda de receita (cf)


Por comparação, qual será o impacto de facilitar o Alojamento Local?

Muito maior.

O turismo está a crescer acima dos 5%/ano pelo que o governo de deve concentrar nas medidas "não fiscais" em vez de começar a mexer no vespeiro dos impostos.


Alguém se lembra porque o Gasparzinho subiu o IRS e não o IVA?

É que o povinho tem mais facilidade em fugir ao pagamento do IVA.

O IRS não dá muito para fugir porque é a entidade patronal que o recolhe.


domingo, 19 de maio de 2024

Terceira sondagem para as europeias 2024

As eleições europeias despertam pouco interesse.

Ainda comecei a ouvir o primeiro debate mas eram assuntos tão aborrecidos e sem interesse que mudei de canal e não tentei ouvir mais nenhum.

Sendo que não há interesse por parte do eleitorado, também saem poucas sondagens (poucas pessoas estão atentas a esta informação).

De qualquer modo, peguei nas 3 sondagens que saíram e calculei os potenciais deputados de cada partido.

O mais provável é que a AD fique com 6 deputados, o PS com 8, o Chega  com 4, o BE, IL e Livre  com 1 e o PAN zero.

A CDU está no meio da ponte, entre 0 e 1 deputados.

Deputados que serão eleitos (compatível com as sondagens) nas eleições do próximo dia 9 de Junho

As movimentações.

A AD, PS, BE, PAN e PAN perdem aproximadamente um deputado (um total de 5.6 deputados) que vão para o CHEGA (3.7 deputados), IL (1 deputado) e Livre (0.9 deputados).

Notar que  não há número fraccionado de deputados de forma pelo que 5.6 traduz 5 deputados com 40% de probabilidade e 6 deputados com 40% de probabilidade.



sexta-feira, 17 de maio de 2024

O plano "Construir Portugal" vai no bom sentido

O governo AD apresentou um plano para a habitação.

Este plano que se chama "Construir Portugal" retira as medidas "estatizantes" e mantém ou aprofunda as medidas "libertárias" do plano "Mais Habitação".

O PS tinha a loucura de pensar que a proibição do Alojamento Local e o arrendamento coercivo iriam resolver alguma coisa. Isto foi revogado, mas ficou a ideia de desburocratizar e dar incentivos fiscais ao arrendamento.

Podemos reduzir as medidas a 3 sendo que são um misto entre o actual governo e o anterior.


O problema da falta de habitação não se resolve com proibições do turismo nem dos estrangeiros ricos.

A ideia dos esquerdistas é que, se há falta de habitação (nos centros das cidades), proíbe-se a instalação de actividades económicas nessas zonas.

Mas isso condena Portugal à pobreza porque o turismo é cada vez mais importante para a Economia!!!!!

Em média, as pessoas trabalham menos horas e têm mais rendimento o que se traduz na vontade de viajar para fazer férias no estrangeiro. 

Em 1950 cerca de 25 milhões de pessoas deslocaram-se do seu país de origem para outro país para fazer turismo e actualmente já são cerca de 15000 milhões, um crescimento na ordem dos 5%/ano (dados da ONU).


Mas os estrangeiros não vêm comer o que é nosso?

Não, porque vêm, principalmente, dar valor a coisas que não têm valor para os locais. 

Vejamos alguns exemplos.

Na Ilha da Madeira, as levadas e os trajectos de montanha não tinham qualquer valor para os locais e, no entanto, os estrangeiros valorizam, estando disponíveis para deixar dinheiro na região em troca do que não valia nada.

Na Praia da Nazaré, as ondas gigantes não tinham qualquer valor para os locais, apenas causavam problemas e, no entanto, os estrangeiros valorizam, estando disponíveis para deixar dinheiro na região em troca do que não valia nada.

As pessoas vão a Fátima deixar dinheiro porque querem "ver" a Nossa Senhora que, de facto, está igualmente em toda a parte.

 

Se nos queremos desenvolver, temos de apostar mais e mais no turismo.

Há um professor catedrático sábio em Economia do PSD que, quando não tem argumentos, atira com "Quem sabe de crescimento" e eu vou fazer o mesmo.

Quem sabe de Economia sabe que o desenvolvimento económico vem afectar cada recurso escasso à actividade que gera mais riqueza. Não é fazer coisas muito sofisticadas nem aplicar teorias muito elaboradas é apenas garantir que cada recurso escasso é "entregue" à actividade que gera mais valor.

E nos centros das cidades, o que gera mais valor é o turismo. Vai dai, não pode haver habitação onde há potencial para o turismo.


Já imaginaram a racionalidade de adaptar o Mosteiro dos Jerónimos para habitação social? 

Como o centro das cidades está-se a passar exactamente o mesmo, com o aumento do turismo é necessário receber mais e mais turistas (alojamento, restauração, actividades lúdicas) e isso torna racional que deixe de haver habitação nos centros das cidades (em todos os locais onde há potencial para o turismo).

Seria como no Algarve deixar as pessoas construir barracas no areal das praias.

Fig. 1 - Qualquer coisa é melhor do que uma tenda.

Primeira medida = Deixar construir alojamentos em terrenos agrícolas.

Em fiz uma "propostas legislativa" neste sentido e tenho batalhado muito neste ponto e penso que, felizmente, alguém no governo leu as minhas ideias e vai, espero eu, implementar esta.

Portugal tem vastas zonas classificadas como Reserva Agrícola. Se isso era muito importante nos tempos do Salazar, em que 30% da população trabalhava na agricultura e apenas tínhamos para comer o que se produzia localmente, actualmente não faz qualquer sentido. Motivado pelo comércio internacional, faz mais sentido importar soja, milho, trigo, arroz de países com maior aptidão agrícola e especializarmo-nos nas actividades económicas que criam mais valor.

Como o terreno é um custo muito importante na habitação e as pessoas de rendimento médio-baixo não encontram habitação a preços razoáveis, penso ter racionalidade política restringir o uso dos solos com aptidão agrícolas para esse grupo de pessoas:

a) A custos controlados

b) Arrendamento acessível 

c) Alojamento temporário para trabalhadores (professores, forças de segurança, agrícolas, industriais e do  turismo)


Segunda medida = Simplificação legislativa.

Quando, era criança, começou a chegar a riqueza dos emigrantes na França e a fazer efeito o crescimento económico da década de 1960 em resultado de termos aderido à EFTA. Assim, por volta de 1970, os assalariados começaram a fazer umas casitas. Arranjavam um campo ou um mato com 1000 m2, contratavam um desenhador para fazer os riscos e tratar da papelada, e faziam a casita com a ajuda de um mestre de obras e uns ajudantes.

Uma coisa barata, uma casa térrea em paredes de tijolo simples rebocadas com uma argamassa de saibro e caiada, um tecto de madeira coberto com telhas. Lembro-me que em 1970, sem contar com o terreno, uma casas com boas áreas, 3 quartos, ficava por menos de 50 mil euros (a preços de hoje).

Na aldeia, desde que o desenhador e o mestre de obras garantissem a segurança estrutural, a pessoa fazia o que lhe desse na real gana.

Nem era preciso haver estrada, bastava haver um caminho de terra batida com 3 m de largura e logo a "eléctrica" metia uns postes de madeira com a baixada para a "luz".


Não estamos a falar de arranha céus.

As pessoas estão muito focadas nos centros das cidades mas o problema está nas aldeias e vilecas onde, ano após anos, se foi tornando cada vez mais difícil, mais proibido, construir habitação. Com as actuais limitações, parece que o "estado" apenas dá o direito aos ricos de ter casa.

E nas aldeias arrabaldes são precisas casas T3 com preços na ordem dos 75mil€, rendas na ordem dos 250€/mês.

As dificuldades na construção da habitação começam na dificuldade em vender uma parcela de terreno. Se tenho um terreno grande e quero vender uma parcela para uma casa, há muitas limitações e só posso fazer uma venda a cada 10 anos. É preciso aligeirar o desemparcelamento para habitação impondo o ónus não em quem vende mas em quem compra o terreno e faz a casa (não a poder vender durante 25 anos).

Bem sei que isto dará origem a "loteamentos de génese clandestina" mas não é um problema pois tem muito menos custos para o Estado construir as infraestruturas do que pagar "apoios à renda" ou construir "bairros sociais".

Fig. 2 - Lembro-me de dois irmãos fazerem estas casinhas T3, cada uma com 100 m2 de área coberta, num pequeno pinhal que compraram por 240 contos (com 580 m2 e 8.5 m de frente para um caminho de terra batida e que agora está asfaltado). Como eram iguais, os "riscos" e a "papelada" ficaram mais baratos.

Havia casas para arrendar aos mais pobres.

A minha tia tinha 3 (uma, no entretanto, caiu). Tinham cerca de 50m2 de área coberta e, bem sei que agora é proibido, a porta da casa de banho dava para a cozinha.

Muitas vezes, estas muradas de casas eram construídas "a pedido". Havia alguns casais jovens "tementes a Deus" mas com pouco dinheiro que se queriam casar e, com a ajuda do Sr. Abade e o Regedor, convenciam um "lavrador rico" a fazer umas casitas "para ajudar e ter um rendimento na velhice". 

Fig. 3 - Uma murada de casas T1+1 para pessoas com baixos rendimentos.

Como o Estado não pode chegar a todo o lado, é necessário ser possível voltar a construir casas baratas para arrendar fora dos grandes centros a quem tem uma reformita ou quem tem uma família para sustentar com o salário mínimo.

Terceira medida = Incentivo fiscal para arrendamento.

O anterior governo incluiu na "Mais Habitação" uma redução de IRS para o senhorio. Assim, quem arrendar com um contrato com um prazo de 20 ou mais anos paga apenas 5% de IRS.

Não se pode pedir mais pois esta medida é quase uma isenção total mas tem de ser garantido que vai perdurar pelo menos durante a vigência do contrato. Não pode o senhorio fazer um contrato por 25 anos pensando que vai pagar 5% de IRS e, no Orçamento de Estado seguinte, o regime especial é revogado e passa a ter de pagar 25% de IRS.


Está no bom caminho mas falta ver, no concreto, as medidas.

As autarquias são muito burocráticas pelo que entregar o assunto da ocupação do solo a elas parece-me perigoso mas vamos a ver.

O problema é tão grave que é mesmo preciso avançar com as coisas.

Vou-vos dar apenas um exemplo. Eu tenho um pequeno apartamento, T1-K, no Porto que arrendei em 2010 por 300€/mês. Actualmente emprestei-o à minha sobrinha mas estive a ver um apartamento igual no mesmo prédio e estão a pedir 825€/mês. Quem é que pode pagar tal valor?


quinta-feira, 2 de maio de 2024

Choque fiscal? "Estamos de tanga" e "a culpa é do anterior governo".

Na campanha eleitoral, a oposição promete tudo mas nunca cumpre.

Em particular, os professores doutores catedráticos em economia do PSD prometeram que iriam reduzir substancialmente o IRS e o IRC, o choque fiscal, e com isso, aumentar do crescimento da economia que, levaria a um aumento da receita fiscal.


Faz-me lembrar uma anedota dos malucos do Riso (só que contada por professores doutores catedráticos em economia).

Um cliente entra numa loja de electrodomésticos para comprar um frigorífico.

- Tenho este frigorífico por 299€ mas o melhor para si é este. Apesar de ter um preço de 1999€, tem a vantagem de se pagar a si próprio em 3 anos.

Gosto desse - disse o comprador- Guarde-o que venho buscá-lo daqui a 3 anos, quando já se tiver pago.


Se soubessem alguma coisa de economia, sabiam que o excedente do ano passado foi uma excepção à regra.

O ano de 2023 foi excepcional porque a inflação não antecipada fez aumentar de forma automática a receita pública, mais porque os escalões do IRS não foram actualizados, e a despesa pública, principalmente os salários dos funcionários públicos e as pensões, cresceu abaixo da inflação.

Em 2024 vai acontecer exactamente o contrário, os funcionários públicos querem que o poder de compra dos seus salários seja reposta e a receita pública não vai crescer como vão crescer os salários da função pública.

Por isso é que, ainda durante a campanha eleitoral, referi que não havia margem para diminuir os impostos.

Evolução do saldo das contas públicas (dados. 1T.2010-1T.2024, INE)

Em 2019/2023, as contas públicas estavam equilibradas.

Se olharmos para a evolução do défice (dos saldo das contas pública) desde a bancarrota de 2010, vemos que há uma tendência de controlo do défice que nos levou do défice de 10% de 2010-11 para praticamente zero em 2019-2023 (com a excepção da "pandemia do Covid-19). Sim, é verdade, em 2020/2021 houve uma pandemia com grande impacto nas contas públicas (um total de 8.3% do PIB).

Mas também vemos que o défice oscila em torno da tendência, em termos anuais, de +-0.9 pontos percentuais. Quer isto dizer que, de ano para ano, há ao longo do tempo oscilação no défice (uns anos mais receita, outros menos receita, uns anos mais despesa, outros menos despesa) de 2500 milhões €. 

Esta oscilação traduz que 2023 houve um superavit mas tratou-se apenas de um oscilação favorável relativamente à tendência e que nunca se poderia prometer "usar o superavit" acidental para dar tudo a todos e ainda a mais alguns.


O "anterior governo" é sempre o culpado mas não tem culpa nenhuma.

Não gostava nem gosto do António Costa, é desonesto, porque estava sempre a repetir que "a culpa é do Passos Coelho" quando  não era verdade.

Mas agora o Montenegro vai pelo mesmo caminho da mentira.

Atira os problemas da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa para a provedora Ana Jorge, apelidando-a de incompetente quando a senhora não tem culpa alguma. Foram negociatas com o "Dr. Nuno meu filho" e, principalmente, a diminuição do vício do jogo (a raspadinha deveria ser proibida porque só serve para sugar os pobres).

Atira os problemas da Saúde para o director executivo do SNS Fernando Araújo que não tem culpa alguma.

Atira os problemas de não poder dar tudo a todos ao Fernando Medina que não tem culpa alguma, foi um ministro das finanças exemplares (bem sei que escrevi postes a dizer cobras e lagartos do moço, no inicio, mas tenho de dar a mão à palmatória, esteve muito bem).


Não estou a gostar nada do Montenegro.

Estamos entregues à bicharada.

É um governo de rapazolas, não há ninguém com gravidade, que diga a verdade aos portugueses, são só subterfúgios, meias mentiras, interpretações semânticas, promessas vazias.  

Está só em campanha para as europeias, parece o bloco de esquerda, atira contra tudo e contra todos, sem razão.

Também não votei nele, demagogo por demagogo, prefiro o André Ventura.


O que irá acontecer depois das eleições Europeias?

Excluindo a CHEGA, a esquerda tem mais deputados do que a direita mas o Pedro Nuno Santos disse logo "não tenho condições políticas para formar governo" porque sabia que o CHEGA se iria coligar com a direita para derrubar o seu governo.

E o que esperava o Montenegro quando disse "Tenho condições"? Que o CHEGA ou o PS iriam viabilizar o seu governo?

Só prova que não tem o mínimo conhecimento sobre a dinâmica parlamentar.

Claro que, de mansinho, o PS e o CHEGA vão procurar convergências para virem a ter futuras vantagens eleitorais. 


Para os sábios professores doutores catedráticos do PSD.

Não há lugar no nosso sistema eleitoral para 3 partidos grandes. O PS penso estar firme pelo que um dos dois (PSD ou CHEGA) vai desaparecer da mesma forma que desapareceram o PCP (teve 47 deputados), o PRD (teve 45 deputados), o CDS (teve 24 deputados) e o BE(teve 19 deputados).

A questão que se coloca é quem vai desaparecer, o PSD ou o CHEGA.

O futuro ainda não está escrito mas os sábios do PSD têm de tomar consciência que o CHEGA pretende substituir o PSD.


Se o PSD pode alterar o passado, o PS e o CHEGA e o PS também o podem fazer.

Se na campanha eleitoral o PSD prometeu tudo a todos e agora mudou de opinião, o PS foi contra muita coisa enquanto era governo mas agora é a favor como, por exemplo, acabar com as portagens.

Se o PSD diz que descer o IRS faz crescer a economia, acabar com as portagens tem um efeito mais directo já que facilita a movimentação de recursos escassos e pessoas.

Se vale tudo, está na hora de tirar olhos.


Vou só falar um bocadinho dos movimentos universitários a favor dos palestinianos.

Onde estavam estas pessoas quando palestinianos entraram por Israel a dentro e mataram todas as pessoas que encontraram?

Onde estavam estas pessoas quando palestinianos arrastaram israelitas pelas ruas de Gaza, rebocados por furgonetas e com os palestinianos a dar gritos de alegria?

Onde estavam estas pessoas quando os iranianos enforcaram as mulheres que lutavam pela liberdade de destapar a cabeça (e continuam a enforcar)?

Onde estavam estas pessoas quando os árabes mataram milhares de pessoas no Sudão (e continuam a matar)?

Estavam distraídos, a olhar para gajas boas


domingo, 28 de abril de 2024

Com duas sondagens, a AD está abaixo do resultado de 2019

Saíram sondagens da Aximage e da Intercampus.

O que eu vejo com estas duas sondagens é que a hipótese que se colocou de o CHEGA poder, nas eleições europeias, ficar em segundo lugar não se confirmam. Se nas legislativas o CHEGA teve próximo dos 18%, este resultado continua compatível com as sondagens.

Também vejo que o BE, CDU e PAN vão perder um deputado (o PAN fica sem deputados). A CDU  pode  perder dois deputados e também ficar sem nenhum.

O CHEGA é mais provável que eleja 4 deputados.

Existe uma probabilidade de 60% do PS ter mais 2 deputados que o PSD, 90% de ter pelo menos um deputado a mais.

O melhor que a AD pode ambicionar é ter um empate com o PS, o que tem 10% de probabilidade.

Na figura seguinte, na coluna Total estão os resultados dividindo a abstenção amostral (os que responderam que se vão abster que são muito menos do que os de facto se vão abster).

Previsão dos resultados eleitorais nas eleições europeias 2024 com duas sondagens e assumindo uma taxa de abstenção de 70% (usando bootstrapping).


domingo, 21 de abril de 2024

Sondagem dos resultados das europeias

Saiu a primeira sondagem, da Aximagem, para as eleições europeias.

O que entendi da sondagem é que foram inquiridas 805 pessoas e as respostas foram

AD = 204 / PS=256 / CHEGA = 153 / BE = 52 / IL = 51 / CDU=37 / LIVRE = 33 /PAN = 19


Depois fui ao ChatGPT e perguntei.

Eu tenho os resultados eleitorais num vetor em R, sind1 = c(204,256,153,52,51,37,33,19). Gostaria que escrevesse código em R que aplicasse o método de Hondt para distribuir 21 deputados.

(Tive de corrigir no dia 22/04 porque Portugal só elege 21 deputados e eu ainda pensava que elegia 24!!!!!!!!!!)


Pumba, o ChatGPT respondeu com código.

Copiei sem olhar para o R e resultou o número de deputados de cada partido:

AD = 6 / PS = 7 / CHEGA = 4 / BE = 1 / IL = 1 / CDU=1 / LIVRE = 1 /PAN = 0

Confirmei no Excel e está certíssimo.


Obrigado ChatGPT, és mesmo inteligente.

Eu disse ao ChatGPT que passou no Teste de Turim. Agradeceu-me e disse que é uma máquina mas não me acredito.


Falta calcular o "erro" da sondagem 

Aqui, escrevi eu o código para não abusar do ChatGPT já que hoje é Domingo, dia da família!

Usando o Método de Monte Carlo, obtenho o "intervalo de erro" compatível com a sondagem. 

Como tenho apenas uma sondagem, ainda há "empate técnico" entre o PS e a AD mas com vantagem muito, muito clara para o PS (em média, mais 1,6 deputados).

É bastante provável mas não posso afirmar com 100% de certeza que a CDU e o Livre vão eleger um deputado mas é quase certo que o PAN não vai eleger ninguém.

Deputados europeus eleitos com base na primeira sondagem (Aximagem).

Relativamente a 2019, a AD, o BE, a CDU e o PAN perdem um deputado e o PS vai perde 1 ou 2.
Pelo contrário, o CHEGA ganha 4 deputados e a IL ganha 1 deputado e o Livre pode ganhar 1 deputado (ou ficar a zero).
 
Probabilidades do número de deputados para cada partido.



A AD bem pode desvalorizar os resultados das Europeias.

Mas ter ainda menos deputados europeus do que o PSD+CDS do tempo do Rui Rio e do Chicão é uma vergonha.

Perdendo de forma clara para o PS, o tremelique causado por não poder cortar impostos nem aumentar os salários dos professores, polícias, militares, oficiais de justiça, pensões, blá, blá, blá, ainda vai aumentar.


Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code