sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

O novo caminho (do Holland)

Vem ai 2015. 
E, quando em 2011 o Passos Coelho tomou posso, nunca pensei chegarmos ao fim do seu mandato com  as contas com o exterior equilibradas, uma taxa de desemprego nos 13% e o PIB a crescer.

As contas com o exterior.
O Banco de Portugal contabiliza todos os negócios que fazemos com o exterior seja em termos de balança de mercadorias (importações e exportações), balança de serviços (saída e entrada de turistas), transferências (remessas de emigrantes/imigrantes e outras transferências) e juros. Á soma destas coisas todas chama-se Balança Corrente e traduz o endividamento de Portugal face ao exterior..
Nos tempos de Sócrates, cada mês Portugal endividava-se 1500 milhões de euros. E foi esta realidade que o Passos Coelho recebeu.
Actualmente, o país está a conseguir pagar dívidas contraídas nesses tempos de regabofe, 500 milhões € por mês.
Face ao exterior, no tempo do Sócrates cada português endividava-se em 150€ por mês e agora amortiza a dívidas desses tempo em 50€ por mês.
É muita massa. É algo nunca antes conseguido.

Fig. 1 - Evolução da Balança Corrente 1996: 2014 (dados: Banco de Portugal, grafismo do autor)

E como estará a França?
Não sei se se recordam mas na França está a ser implantada o "outro caminho", o "caminho do emprego e do crescimento," a "austeridade inteligente" que o António Costa diz que vai implementar para Portugal assim que seja eleito.
Por incrível que pareça, desde Maio 2012 em que começou a governar a França, o desemprego aumentou.
Bem sei que não pode ser mas é (ver, Fig. 2).


Fig. 2 - Evolução da Taxa de Desemprego francesa 2000: 2014

O Passos está sem oposição.
O máximo que aparece é o fulano dos Açores a dizer que o Costa mandou dizer que o Passos está a governar mal.
Como eu já tenho saudades do Seguro sempre a pregar.
Assim, com a situação a melhorar de dia para dia e sem oposição, o Passos ainda se arrisca a ganhar as legislativas de 2015 e com maioria absoluta.

Fig. 3 - No horizonte, já não se vêm nuvens negras.

Bom ano.

Pedro Cosme Vieira

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

O equilíbrio do Costa, custa

A vida do António Costa está difícil. 
Eu não sou especialista de ciclismo. Em criança era mesmo um ciclista cheio de medo. Mas o Costa parece aqueles sprinters que têm que ir sempre atrás dos ciclistas de fundo porque não têm fôlego (no caso, ideias) para, nas proximidades da meta, saírem disparados do pelotão (com um discurso de três palavras, inteligência, crescimento, emprego, repetidas à exaustão). 

O problema do sprinter é falhar o tempo de arranque.
Se for muito cedo, vai queimar todas as calorias, ficar sem fôlego e, no final, ser ultrapassados pelos atletas do pelotão.
Se for muito tarde, não vai conseguir recuperar o atraso relativamente aos homens da frente.

Fig. 1 - O sucesso do sprinter passa por arrancar da molhada no tempo certo

O Costa não podia sair mais tarde.
Como era preciso arrumar o Seguro da frente, a coisa não podia ter sido mais adiada. É que entre as Europeias e as Legislativas não havia mais nenhum acontecimento que pudesse justificar o arranque.
Mesmo assim foi (e é) acusado de oportunismo.

Mas, agora parece que saiu cedo de mais.
O Costa ganhou as Primárias do PS em 29 de Setembro. 
Já se passaram quase 3 meses e o homem ainda não disse nada. Diz que "lá mais para a frente, lá para Março, vou falar".
O sprinter está a fazer contenção para poupar as poucas energias (ideias) que tem.
O problema é que no pelotão vem o Passos Coelho e a cortar a desvantagem mostrando resultados ao nível do desemprego, emprego, crescimento económico, exportações, equilíbrio das contas públicas e externas.

Piscar o olho à esquerda e à direita.
Num dia diz "não faço alianças à direita", mas no outro dia tem que dizer que "o governo PS + PSD foi extraordinário" e termina dizendo outra vez que "não quis dizer nada disso mas antes o contrário."

Outro caso é a privatização da TAP.
O PS assinou pela mão do Sócrates no Memorando de Entendimento (17 de Maio de 2011) que iria privatizar a TAP. Agora, o Costa vem dizer que o PS não assinou nada disso e que sempre foi contra a privatização.
Melhor dizendo, é a favor mas é contra pois o Estado tem que continuar a mandar para meter lá mais "uns amigos do PS" tipo o que foi feito na Portugal Telecom.
Disse o Correio da Manhã em 2005 (ver) que, desde o filho do Professor Marcelo até ao do Otelo Saraiva de Carvalho, a PT era a mamadeira deles todos. Afinal, o homem que queria "os patrões no campo pequeno" rendeu-se ao grande capital.

Fig. 2 - O melhor a fazer com a TAP era aplicar o modelo Líbio: queimar tudo e acabar com aquilo de uma vez por todas.

Vejamos o que diz, textualmente, o memorando assinado pelo Sócrates
3.31. O Governo acelerará o programa de privatizações. 
O plano existente para o período que decorre até 2013 abrange transportes (Aeroportos de Portugal, TAP, e a CP Carga), energia (GALP, EDP, e REN), comunicações (Correios de Portugal), e seguros (Caixa Seguros), bem como uma série de empresas de menor dimensão. 
O plano tem como objectivo uma antecipação de receitas de cerca de 5,5 mil milhões de euros até ao final do programa, apenas com alienação parcial prevista para todas as empresas de maior dimensão. 
O Governo compromete-se a ir ainda mais longe, prosseguindo uma alienação acelerada da totalidade das acções na EDP e na REN, e tem a expectativa que as condições do mercado venham a permitir a venda destas duas empresas, bem como da TAP, até ao final de 2011

O Costa e restantes xuxalistas não devem saber ler.
Vou explicar o texto pois os do PS são tão toscos da cabeça que não sabem o que assinaram.
Ou pensam que o povinho português é muito burro e, se calhar, até é.

1) Até ao final do programa, o governo compromete-se a alienar a ANA, TAP, CP Carga, GALP, EDP, REN, CTT e Caixa Seguros e outras empresas menores. 

2) Na venda inicial, parcial, prevê-se um encaixe de 5500 milhões €.

3) Depois, se as condições de mercado o permitirem, o Governo compromete-se a vender a totalidade da EDP, REN e TAP

Reparem como eles mentem.
Dizem que o Memorando"não obriga privatizar a TAP porque a receita prevista com as privatizações, 5500 milhões€, já foi ultrapassada."
Mas o Memorando não diz nada disso, diz "cerca de 5,5 mil milhões de euros com a alienação parcial" sendo que o Governo se compromete, depois, avançar para a privatização total "se as  condições de mercado o permitirem".

Os xuxalistas apostam no facto de o povo português ser pouco informado.
Tenho a certeza que nem uma em cada mil pessoa foi ler o que realmente o Sócrates assinou sobre a privatização da TAP e das outras empresas públicas.
E é com isso que conta o PS.

Mas tenho que marretar.
Povinho do meu país, não acreditem nessa conversa do "outro caminho" pois esse caminho já o conhecem, é o caminho da bancarrota.

Fig. 3 - Digo que sou uma mulher, depois mete este "bigode de dedo" e digo que sou homem. E o povinho aceita uma coisa e logo o seu contrário como verdade.

Pedro Cosme Vieira

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Será falsa a redução do desemprego?

O PS voltou à política (da mentira).
O Ferro Rodrigues, que está cada vez mais feio e velho parecendo um monstro retirado de um filme qualquer de extraterrestres, veio dizer que, no tempo do Passos Coelho, o desemprego aumentou muito, não sei quantas centenas de milhar de cabeças.

Mas isso não tem qualquer correspondência com a realidade.
A realidade diz que, entre o dia em que o Sócrates entrou e o dia em que saiu, passou a haver mais 170 mil cabeças no desemprego quando ele tinha prometido que haveria menos 150 mil.
No caso do Passos Coelho, entre o dia em que entrou e os últimos dados, passou a haver mais pessoas no desemprego mas foram "apenas" 45 mil e está a reduzir rapidamente. 
Comparando o Sócrates com o Passos, por cada 1 pessoa que caiu no desemprego com o "política neoliberal" do Passos Coelho, tinham caido 4 pessoas com a "política de emprego e crescimento" dos xuxialistas.
Parece impossível mas é a realidade dos factos. 

Fig. 1 - Evolução da taxa de desemprego 1:2004-10:2014 (dados: INE)

Se tudo continuar assim.
Quando chegarmos ao dia das Eleições Legislativas de 2015, a taxa de desemprego já estará abaixo da taxa verificada no dia em que o Passos Coelho tomou posse. 

O que têm os xuxalistas a dizer?
1) A subida do desemprego no tempo do Sócrates foi por causa da Crise  do Sub-Prime e, assim que o Sócrates saiu, a crise acabou.
A verdade é que, entre meados de 2005 e meados de 2008, quando rebentou a crise, o desemprego manteve-se estável mas muito alto, na ordem dos 9% da população activa. Depois, realmente, a crise externa coincidiu com a subida do desemprego mas os seus efeitos foram mais extensos e mais pronunciados porque houve políticas de "protecção dos desempregados" que funcionam sempre como entrave à recuperação económica.
E a crise não acabou assim que saiu o Sócrates

2) Não pode ser verdade, os dados estão martelados e é devido à emigração.
Existem alguns problemas nos dados mas não justificam por si a quebra no desemprego e o emprego tem aumentado. Relativamente ao mínimo (1.º Trimestre de 2013),o total de pessoa empregadas aumentou 173 mil pessoas (3.º Trimestre de 2014), um aumento médio de 11500 pessoas por mês. Ainda faltam 560 mil empregos relativamente ao valores do 2.º trimestre 2008 (quando começou a crise) mas já só falta recuperar 240 mil relativamente a quando saiu o Sócrates.
O Sócrates "perdeu" 317 mil empregos e, até agora, o Passos 240 mil e está em recuperação.

O que será "martelar os dados" do desemprego?
É alterar os critérios de contagem dos empregados/desempregados pela alteração das políticas activas de emprego.
E, realmente, a pedido dos esquerdistas, o Passos Coelho / Portas deu início a estágios "financiados" para encaixar os desempregados em ambiente de trabalho o que altera a comparabilidade dos dados. 
Mas estão no mercado a produzir qualquer coisa e a valorizarem-se com o "learning by doing", o que é duplamente positivo.
Nessas "bolsas em ambiente de trabalho" as pessoas vão para um sítio qualquer trabalhar e recebem, somando tudo, uns 180€/mês.
Afinal, os esquerdistas reconhecessem que um salário baixo acaba mesmo com o desemprego.

O Salário Mínimo Nacional deveria ser de 250€/mês.
Na lógica da batata, só faz sentido haver um salário mínimo se estiver garantido que todas as pessoas que o queiram podem ter um emprego (perto de casa e razoavelmente adequado à sua formação) a ganhar esse salário. Então, o SMN deveria ser de tal forma que o Estado se pudesse comprometer a meter a pessoa a trabalhar em algum sítio, fosse numa autarquia, numa fábrica, numa escola, onde quer que fosse.
Seriam 12€/dia de trabalho.
E por 250€/mês já era possível arranjar emprego para toda a gente.
Depois, a pessoa saia quando quisesse deixar de trabalhar ou arranjasse um emprego melhor remunerado.
Um bocado como o Ronaldo que arranjou lugar no Andorinhas de Santo António (como muitos outros).

Será que as pessoas que têm arranjado emprego estão a produzir alguma coisa?
Primeiro, não há necessidade que estejam a produzir riqueza mas apenas que estejam a aumentar a probabilidade de arranjar um emprego "normal". É assim parecido com o Escola em que a criança deixa de contar como desempregado mas não está a produzir nada.
Mas como é que eu vou saber se as pessoas estão a produzir riqueza?
Parece muito difícil.
Vamos ver se eu sou capaz.

Uma conta simples.
Comparando com 2T2008, o PIB aumentou 8,9% em termos nominais enquanto que o emprego aumentou 4,3% o que traduz que a produtividade por pessoa empregada aumentou 4,4%, nada mal não ter diminuído o que traduziria que o povo estava a "fazer gaiolas".
Se olharmos para a evolução relativamente à Alemanha e ao Reino Unido, vemos mesmo que o nosso desempenho (em termos de melhorias na produtividade) tem sido idêntico ao destes países tidos como exemplo.

Fig. 2 - Evolução da produtividade considerando 3T2007-2T2006 = 100, por pessoa empregada (dados: Eurostat, cálculos e grafismo do autor)

Fig. 3 - Afinal, a situação tem evoluído bem e está a ficar boa.

Pedro Cosme Vieira

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

José Pinto de Sousa à Presidência da República

O PS está (estava) com uma grave problema. 
Não tem candidato para a Presidência da República. 
O Soares está muito velho e gasto, são já 90 anos. Queria que fosse o Guterres e, realmente, seria um bom candidato porque agrada às velhinhas que usam fralda e vão à missa todos o dias, mesmo às que votam normalmente no Portas por ser "um bom menino". Mas o homem não quer.
Depois ficou a Manuel Alegre que também já está pesado, já são 78 anos, pelo que ganhou juizo e nem quer ouvir falar nisso. Colocou a condição "só me candidato se o meu ex-amigo Soares também se candidatar".
Depois, lembraram-se de mais um, um muito feio que fala com a boca cheia e de quem nem me lembro do nome, não é o Ferro Rodrigues, é o outro, um gordo, não é o Almeida Santos que também está velho como a terra, é o, o ..., não me lembro mas todos disseram "não obrigado".
Já me lembrei, é o Jaime Gama, que disse logo "não obrigado porque no 'Novo Banco dos Açores' ganho uma boa maquia que não quero perder".
Ainda se lembraram do Jorge Coelho, o tal do "quem se mete com o PS leva" mas, por um lado, tem no nome 'Sacadura' o que faz lembrar o Portas e, por outro lado, disse logo "não obrigado que tenho que ter tempo para gozar os 50mil  por mês (ver) que ganhava na empresa do Sr. Mota."

Mais quem?
Não ficou ninguém.
Então, tiveram que ir ao lote das "arcas das prendinhas deprimentes", aos desconhecidos, uma pessoa qualquer que diga  "quero defender o Estado Social contra o neoliberalimo, a política de direita e o ir além da troika do Passos Coelho", tipo um pastor da Serra da Lousã ou aquele Vieira dos Ena Pá 2000, uma pessoa qualquer.
A estratégia foi uma "brain storm" no qual combinavam nomes enquanto o Costa sorria para o povinho. A esperança era que, soltando um nome atrás de outro, alguém pudesse disser "sou eu, quero avançar."
José Jefferson era bom mas não havia no congresso ninguém com esse nome e era muito americanizado. Foram então surgindo coisas do tipo Morais da Nóvoa, Sampaio da Póvoa, Névoa do Sampaio, Sampaio da Silva, Silva não que faz lembrar o Cavaco, Sampaio da Costa, ... nomes atrás de nomes e ninguém dizia "prsente". Até que surgiu "Sampaio da Nóvoa" e alguém gritou lá do fundo.
"Sou eu, sou eu, estou disponível, estou disponível, estou disponível"

Pensando bem, José Pinto de Sousa é um nome muito melhor.
Não mete Passos, Coelho, Porta, Cavaco, Silva nem Gaspar, só por isso já é bom.
Depois, soa bem, mesmo bem.

Fig. 1 - José Pinto de Sousa é um nome forte.

Recordo que
Eu odeio o Sócrates.
Julgo que ele é o principal responsável por termos caído na bancarrota mas a democracia precisa do confronto de ideias, umas erradas e outras certas, e apenas desse confronto é que as boas ideias podem surgir buriladas.
Umas vezes as más ideias saiem vencedoras mas, na maioria das vezes, são as boas ideias as vencedoras.
O que dizem os especialistas na matéria é que, se não houver confronto, as boas ideias relaxam-se e acabam por se transformar em más práticas.
Por isso, a nossa democracia precisa que os esquerdistas indiquem um nome forte para candidato à Presidência da República e esse nome é o José Pinto de Sousa.

Observemos o passado.
Presidente socialista que se preze tem que ter estado em prisão preventiva.
O Mário Soares esteve em prisão preventiva.
O Jorge Sapaio esteve em prisão preventiva.
Eu ainda pensei que o Paulo Pedroso ou a Fátima Felgueiras, ao terem sido presos preventivamente, estivessem a fazer curriculo para serem agora candidatos à presidencia mas ainda não vi surgir nenhum destes nomes.
O Isaltino não dá porque é do PSD. 
Mas temos agora o José Pinto de Sousa que, por já ter no curriculo uma prisão preventiva declaradamente política, dá um candidato perfeito para a Esquerda.
Eu, concerteza, assino a proposta de candidatura e, se calhar, até vou votar nele.

Mas o Soares e o Sampaio estiveram preso antes do 25-abril
Blá, blá, antifascistas, não sei quê, que mais, inocentes, injustamente.
Ok, mas que nesse tempo também era muito mais fácil ser preso e conseguir sair daí dizendo "não fiz nada".
Como bastava dizer "Vivas à República" para levar duas bastonadas e passar uns dias na choldra, qualquer pessoa esquerdistas fazia curriculo num repente.

Agora é muito mais difícil.
É como um soldado dos dias de hoje arrancar uma medalha de "torre e espada" por actos heroíco e bravura. Sem turras para matar, como é que vai conseguir isso?
Só se o Cavaco for ver uma tourada, o bicho de 650kg se desmandar e saltar para a tribuna de honra. Nesse momento, o soldado salta em seu socorro e consegue lidar o bicho mas, para ser heroi suficiente para a Torre e Espada, tem que ser de olhos vendados e enquanto faz o pino apoiado em apenas um dos braços segurando a muleta no outro.

Fig. 2 - Torre e Espada por ter perdido um olho a defender o Cavaco de um touro que lidou de olhos vendados e enquanto fazia o pino.

Vejamos a carta do ex-Sócrates.
Quando uma pessoa vai presa não perde apenas a sua liberdade. Também é vítima de humilhações gratuitas. Por exemplo, o putativo candidato José Pinto de Sousa tem pedido que lhe levem roupa quente o que traduz uma humilhação trazida dos manuais dos campos de extermínio nazis, vergar a pessoa pela fome, a sede e o frio.
Depois, não lhe dão um computador para jogar copas, uma resma de papel para fazer aviões nem uma esferográfica azul para as palavras cruzadas. Dizem que "há o perigo de o detido fazer aviões para enviar contra a torre de Belém como aconteceu com as torres gémeas." E "fazer palavras cruzadas é um truque para enviar mensagens secretas para o 'motorista'." Além disso, "pode transformar a esperográfica azul numa arma de destruição massiva como fez o Saddam."
Se os fascistas tivessem este rigor, nunca o Álvaro Cunhal teria escrito o Cinco Dias Cinco Noites que é um livro extraordinário.
Ninguém tem o direito de prender a mente humana, de proibir alguém, nem que seja o maior criminoso de todos os tempos, de escrever, de se informar, de comunicar, de criar.
Nunca uma sociedade pode impor aos outros a lei do silêncio por ter medo que as suas ideias "torpedeiem a investigação".
As ideias erradas são para isso mesmo, para torpediar a verdade que, sendo mesmo a verdade, vai poder surgir da confusão totalmente reforçada.
Deêm lá um computador, papel e esferográfica azul ao homem para que ele possa dar asas à sua imaginação, preparar a sua candidatura à Presidência da República e lêr este poste.
É uma humilhação ter que escrever os seus "manifestos políticos" num papelito, a vermelho e tudo razurado.
Ninguém merece isso, nem que tivesse matado 1000 pessoas, sem que fossem criancinhas.

O processo do José Pinto de Sousa é perfeito.
Primeiro => O José consegue ficar rico sem ser possível atribuir-lhe um único facto ilícito.
É rico, ok, não tem de onde tenha vindo esse dinheiro, ok, e depois? O avô da minha mãe tinha uma filha que não tinha mãe e não era por isso que deixava de ser filha e de ser dele, era apenas "filha de mãe incognita."
A fortuna do José também é "filha de origem incógnita" mas não deixa de ser fortuna nem de ser dele.
Dizem que foi corrupção mas o primeiro-ministro não tem poder para despachar nada, passa tudo pelos ministros e, tanto quanto sei, ainda nenhum foi acusado de nada.
Não há um único acto de corrupção que lhe possa ser atribuido, foram as SCUTs? Os Viraventos? A Parque Ecolar? As Novas Oportunidades?
Seria mais de imputar crimes desses aos Guterres, Sampaio ou Teixeira dos Santos que meteram os filhos na Portugal Telecom e que me conste, não foi em nenhum concurso.

Segundo => Acusam o "motorista" de transportar malas de dinheiro.
Se uma pessoa é rica, e 25 milhões € já é qualquer coisa, é totalmente natural mandar o "motorista" ir bucar malas de dinheiro. Ser rico para viver como se fosse pobre não presta. 

Terceiro => Acusá-lo de "crime fiscal" é totalmente descabido porque o dinheiro obtido da corrupção está isento de IRS, não paga IVA nem imposto de selo.

Isto é tudo combinado.
Não há nenhum  crime por onde o possam agarrar.
Então, pediu ao Carlos Alexandre para o prender com muita publicidade.
Pediu ainda ao António Costa, amigo de longa data, para dizer "eu mal o conheci, eu dizia que era amigo dele porque ele tinha muito mau feitio e eu tinha medo que me pusesse fora da mama" porque o povo gosta das pessoas que são vítimas da pulhice dos amigos.
Tudo perfeito.

Mas porquê as aspa no motorista?
Podem pensar que agora não é crime ter "motorista", que o povo até pode casar-se com o "motorita", mas vai acabar por ser o único crime de que o bicho vai ser acusado.
Não vai ser como o Oscar Wilde que hoje consideramo-lo uma grave vítima do preconceito porque foi preso por ser gay.
Agora, o José vai ser acusado de ter contrado falsamente o "motorista" como se fosse seu motorista, ter passado recibos e feito decontos para a Segurança Social quando a Lei proibe de os fazer no caso de ser "motorista", pumba, chumba com "falificação de contrato", "lavagem de roupa suja", "infidelidade conjugal", tudo somado dá uns 600 mil crimes e 2000 anos de cadeia.

Há coisas que não cabem na cabeça de ninguém.
Um fulano qualquer tem fotografias de pornografia infantil no computador, 682 mil e tal.
Não é que o acusam de 682 mil e tal crimes?
Já viram se ele apresenta uma testemunha por cada crime de que é acusado?
Imaginem que um assaltante rouba 300 mil euros de um banco em notas de 20€. Acham que teria alguma lógica acusá-lo de 15000 crimes de roubo, um por cada nota?
E condenar uma pessoa destas a 19 anos de cadeia quando condenam um homicida a 12?
Nós chegamos mesmo ao fundo, daqui a nada estamos como no Pakistão onde matar a muler dá uma repreensão escrita e dizer "o Alá se calhar não é quem pensam" dá pena de morte.

Troquemos o José pelo Duarte Lima.
Alegadamente, o José queria ir para o Brasil (naturalmente porque tinha lá um emprego onde ganhava 12 mil € por mês e eu ainda não conheço ninguém que tenha um emprego sem lá nunca ir) e o Duarte Lima quer fugir de lá a sete pés.
Então, ia para lá o José em vez do Duarte e ficava cá o Duarte em vez do José.
Tudo perfeito, para quê os dois cá?

Fig. 3 - Também trocava a Ferreira Leite pela Juliana Paes.

Vamos então ao Brasil.
Há 3 anos eu escrevi um poste sobre o Brasil (ver) onde previa que o crescimento ia cair e a défice da balança corrente (i.e., o endividamento externo) ia aumentar.
Passados estes 3 anos, infelizmente, acertei, o Brasil teve desde então um crescimento anémico (+1,35%/ano) e entrou mesmo em recessão.

Fig. 4 - Evolução da taxa de crescimento do PIB brasileiro 2008-2014 (dados: ver)

Também em termos do endividamento externo (balança corrente), o Brasil manteve-se claramente no negativo.


Fig. 5 - Evolução da Balança Corrente brasileira 2004-2013 (dados: ver)

É assim que funciona o esquerdismo.
A princípio, a política dos subsídios e da despesa pública induz crescimento económico, foi também o que aconteceu em Portugal no guterrismo, depois o PIB começa a estagnar e o governa ataca o problema desequilibrando as contas com o exterior. Isto tudo termina com a bancarrota.
Com a quebra do preço do petrólio, as coisas lá para o lado do Brasil ainda vão piorar, em termos económicos, pois a Juliana continuará igualmente boa.

Pedro Cosme Vieira

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code