quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Os bancos têm que ter lucro, também é para nosso bem.

Porque as pessoas poupam?
Existe uma poupança quando compramos bens duráveis (denominados bens de equipamento ou de capital).
Por exemplo, compramos um frigorífico por 500€ que dura 10 anos. Então, no ano da compra consumimos em "serviços do frigorífico" 50€ e poupamos 450€. Em cada um dos 9 anos seguintes consumimos 50€ em "serviços do frigorífico".
Também existe poupança quando constituímos um stock de bens de consumo.
Finalmente, existe poupança quando aumentamos o nosso saldo no livro (quando aumentamos o nosso saldo bancário).

Para que exista poupança no livro.
Para que exista poupança na economia, o banco tem que constituir um stock, comprar bens de equipamento ou emprestar o nosso activo a alguém que o faça.
O saldo no livro não é, em si, uma poupança.
Se o Pereira emprestar o dinheiro a alguém que compra e consume os bens, na economia não haverá poupança.

Vamos ficar velhinhos.
No futuro todos vamos ficar velhinhos e sem capacidade para trabalhar.
Agora que somos produtivos, temos que poupar porque especulamos que no futuro ainda vamos estar vivos precisando de comer sem termos rendimentos.

Fig. 1 - Amo tanto a minha mulher que, para a poupar para quando for velhinho, carimbo esta

Podemos ter um desastre.
Podemos perder o emprego (e ficamos sem rendimento), termos um acidente automóvel (e temos uma despesa não antecipada). Podemos ainda ficar doentes (sem puder trabalhar perdendo o salário).
Ao especular que existem estes riscos, pomos de lado uns activos.

Queremos comprar no futuro algo muito dispendioso.
Queremos comprar um bom carro ou uma casa e precisamos de ir juntando dinheiro para depois podermos fazer esta compra.

O negócio do Pereira, o cantineiro, tem-se expandido.
O Pereira fornece um leque reduzido de serviços bancários (depósitos, transferências e algum crédito) mas, por serem serviços imprescindíveis, tem cada vez tem mais clientes.
Os serviços do Pereira são "criação de dinheiro".
O saldo do livro foi crescendo e, de forma correspondente, a mercadoria no armazém. Mas o Pereira começou a ver que o armazém já tinha coisas de mais.
Então, há uns anos, decidiu abrir conta no Entreposto da Cidade.
Quando o fazendeiro "Costa" (que tinha um saldo no Entreposto de 250000$00") mandou abrir conta ao Pereira para pagar 10 contratas, o entreposto lançou no livro:
    "Pereira, 10 contratas x 1000$00 = +10000$00, Saldo = +10000$00"
    "Costa, 10 contratas x 1000$00 = - 10000$00, Saldo = +240000$00"
Depois, quando o Pereira mandou carregar 100 sacas de farinha, o Entreposto lançou no livro:
    "Pereira, 100 sacas farinha x 10$00 = -1000$00, Saldo = +239000$00"

Neste momento o Pereira tem um saldo de 5 000 000$00 no livro do Entreposto que pertence, indirectamente, aos seus clientes.

E se houver uma cheia.
Os clientes do Pereira poupam principalmente porque a aldeia é no Vale do Zambeze que tem risco de cheia.
No passado ficavam na miséria e muitos morriam no ano seguinte de fome.
Agora o Pereira arranjou uma maneira de resolver o problema.
Como o saldo do livro não está todo materializado em mercadorias no armazém mas antes no livro do Entreposto, havendo uma cheia, parte dos saldos está a salvo.

Aqui entra o seguro e a diversificação do risco.
Ao ter saldo no livro do Entreposto, o Pereira tem grande parte das poupanças dos seus clientes a salvo dos problemas locais. Uma cheia, uma guerra, uma doença, uma seca ou uma calamidade qualquer.
Como na Cidade não há cheias, quando acontece qualquer problema o Pereira repõe as mercadorias no seu armazém e salva a situação.
Nessa altura já os clientes podem usar o saldo para refazer as cubatas, repor o gado morto e comprar farinha para se sustentarem até terem novas culturas.
Haverá perdas, mesmo o Pereira perderá tudo o que tem em armazém, mas uma parte substancial da poupança está segura.
Mas o Pereira tem que evitar ter perdas pois, caso contrário, com o tempo vai à falência.

E se o Pereira for à falência?
Será uma tragédia.
Mas os clientes do Pereira não têm capacidade de diversificar o risco de cheia pois não têm volume de negócio que permita ter conta no livro de Entreposto.
Então, os clientes preferem que o Pereira cobre uma margem pelos seus serviços e tenha lucro a haver um risco de ir falência.
O Pereira, para seu bem e dos seus clientes, vai cobrar 1% em cada movimento para cobrir os riscos do negócio.
Uma contrata passará a ser lançada
   "Joaquim, contrata = +1000$00, seguro = - 10$00, Saldo = + 980$00"
Uma transferência (seguro pelo mandante) será
  "Manuela, Trans J = -500$00, seguro = - 5$00, Saldo = + 480$00" 
  "Jozefa, Trans M = +500$00, seguro = 0$00, Saldo = + 500$00"

Fig. 2 - "Pagar as dívidas é uma coisa de crianças" (Sócrates, o Caloteiro)

É o risco a principal razão para existir Spread na intermediação bancária.
Se nós emprestarmos os nossos activos a alguém, corremos grande risco de os perdermos pois a maioria das pessoas é caloteira. e os depositantes não querem risco.
O Banco especializou-se em avaliar a capacidade das pessoas pagarem o que devem. Por outro lado, têm serviços jurídicos que penhoram os bens das pessoas devedores.
Então, nós emprestamos os nossos activos ao banco a 2%/ano (denomina-se taxa passiva) e ele empresta-os a outras pessoas a 5%/ano (denomina-se taxa activa).
É a margem do banco, o Spread.
Se o banco não executar os caloteiros,  nós perdemos os nossos depósitos.

Fig. 3 - O banqueiro persegue os seus devedores a mando dos seus depositantes.

O que paga o Spread.
1. Cobre o risco de o devedor não pagar. Todos os anos o banco tem que guardar parte do Spread para cobrir a eventualidade de um devedor falhar.
2. Cobre as despesas de funcionamento. Os funcionários, a electricidade, as rendas dos imóveis, etc. têm custos que têm que ser pagos pelos clientes do banco.

3. Depois fica o lucro para remunerar o capital.
O negócio bancário é de muito elevado risco porque emprestam dinheiro a 50 anos sobre casas em que há grande probabilidade de os devedores ficarem desempregados e o valor das casas cair drasticamente.
Emprestam a empresas que abrem falência à força toda.
Emprestam ao Estado Português que está em bancarrota.
Mas os depositantes querem ter a certeza que o banco nunca abre falência.
Então, o Banqueiro tem que ter 10% (mais ou menos) do total de depósitos em capitais próprio. Se alguém não pagar, paga o Banqueiro do seu capital.
Isto é muito dinheiro, por exemplo, o BCP tem 6500 milhões de Euros de capital e ainda tem que o reforçar.

O capital do banco é capital produtivo.
As pessoas pensam que o capital que o Banqueiro tem são notas mas não é assim.
Esse capital está materializado em máquinas nas fábricas, televisores nas casas das pessoas, carros, camiões, pontes, estradas, hospitais, etc.
O Banqueiro ao emprestar a uma empresa para ela comprar uma máquina é, em termos económicos, o dono da máquina.
Em termos contabilísticos é apenas dono do dinheiro, mas isso é um artificio da contabilidade.
É como ter 1000$00 no livro. De facto, o cliente tem sacas de farinha e litros de óleo no armazém.

O Sérgio (e a maioria das pessoas)
Pensa que os bancos não produzem nada e, mesmo assim, têm "mais lucro que quem realmente produz ou cria riqueza palpável através de produção de bens e serviços".
Mas, em termos económicos, os meios de produção são, em parte, do Banqueiro e, noutra parte, dos depositantes do banco.
Na economia, considerando todas as máquinas e todo o capital, em média, 20% pertence aos empresários, 8% pertence aos banqueiros e 72% pertence aos depositantes.
Do total dos lucros da economia, 8% tem que ir para os bancos.

Quanto maior o lucro do banco, melhor para os depositantes.
O capital, para fazer face à inflação e ao risco, tem que ser remunerado a uma taxa de pelo menos 10%/ano. No caso do BCP, são, no mínimo, 650milhões de € por ano.
Se os bancos não tivessem capital, não precisavam ter lucro mas o risco de falência seria muito grande e os depositantes não querem bancos desses.
Um banco que tenha um rácio entre o capital próprio e os depósitos de 10% e um lucro de 10% do capital próprio tem o risco de falir na ordem dos 0.1%/ano.
Se estes rácios começarem a diminuir, o risco de perdermos os nossos depósitos começa a aumentar.
Se temos os bancos A e B que pagam 2%/ano de juros e têm 10% de capitais próprios. Se o banco A tem 3%/ano de lucro e o banco B tem 13%/ano de lucro, o melhor é termos o nosso dinheiro no banco B.
O banco B tem muito menor risco de vir a falir.

Todos os anos abrem falência muitos bancos.
Nos últimos 20 anos em Portugal faliram as Caixas Agrícolas, o BPP e o BPN (salvo a minha fraca memória).
Se o Banco A oferece 3%/ano e o banco B oferece 2%/ano como remuneração dos depósitos o que está a ser dito é que o risco de o banco A falir durante o próximo ano é mais 1% que o risco do banco B falir.
De facto o banco A não está a pagar mais juros. Nós estamos é a "comprar" um produto com mais risco.

A crise financeira resulta dos bancos terem lucros pequenos.
Ao haver muita concorrência no mercado bancário, os bancos começaram a cativar clientes de elevado risco de se tornarem caloteiros. Isso fez com que os lucros diminuissem o que degradou o seu capital próprio.
Para esconderem que estavam a perder dinheiro, começaram a sobre-avaliar os activos dos seus devedores (as casas). Quando executavam um cliente, rematavam o imóvel pelo valor da dívida, não reconhecendo perdas.
Quando em 2007 surgiu uma crise normal, começou a faltar liquidez e deu-se conta que os bancos não tinham em "armazém mercadoria suficiente para pagar o saldo dos livros".
Começaram a falir em catadupa. E continuam.

A dívida pública
A dívida pública alemã para contratos a 2 anos anda nos 0.4%/ano.
A dívida pública portuguesa para contratos a 2 anos anda nos 20%/ano.
Isto quer dizer que a probabilidade de, nos próximos 2 anos, o Portugal entrar em bancarrota e não pagar nada é de 30%.
Quem comprar 100€ de dívida pública portuguesa a 2 anos pode, por um lado, receber 140.00€ mas, por outro lado, tem 30% de probabilidade de não receber nada.
Quem comprar 100€ de dívida pública alemã a 2 anos vai receber, de certeza, 100.80€.
Agora é uma decisão de cada um mas não pensem que os "especuladores sanguinários" especulam ficar ricos com os títulos da dívida dos caloteiros.

Fig.4 - É como ter uma mulher simpática. Dá-nos a certeza de que não vamos ser corneados.

Como é camarada Louçã? Agora não te interessa falar?
Até a agência de Rating Chinês desceu o Rating da Zona Euro toda.
Então até os chinocas são especuladores sanguinários?
É que já não há tansos em lado nenhum do Planeta Terra.

Pedro Cosme Costa Vieira

5 comentários:

Anónimo disse...

gostava que comentasses este http://ruitavares.net/textos/a-modesta-e-ambiciosa-proposta/#more-2481 e este http://www.pstu.org.br/internacional_materia.asp?id=13461&ida=35 artigo se possivel.

sergio disse...

Agora sim!! O Pedro deu me a resposta esclarecedora! Mais aproveitou para brilhar e fez de uma pergunta (e muitas outras afirmações) demagogica para explicar que afinal isto funciona com lógica!! Muito obrigado pela atenção ganhou mais um fã!

sergio disse...

Já estou dislóxico.. queria dizer que fez de uma pergunta demagógica oportunidade para explicar... ando a trabalhar muito e a dormir pouco LOL!!

Belzebu disse...

se eu ganho 100 e gasto 100 ñ tenho crise

se for prudente e gastar só 90 vou poupar 10 para alguma eventualidade! tb ñ tenho crise!

eis uma solução simples!

Anónimo disse...

Será que me pode explicar porque é que o sector bancário para além de pagar menos impostos sobre os lucros (IRC) ainda beneficiam de subsídios fiscais? Onde andam as regras de mercado iguais para todos?
E já agora, se um banco falir (resultado de uma má avaliação de risco própria, em muitos casos intencional) porque diabo deve a sociedade assumir tal encargo? Não serão as regras do jogo e concorrência a funcionar?

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Hostgator Coupon Code